Até os jornais sul-africanos obedecem ao regime angolano

Até os jornais sul-africanos obedecem ao regime angolano

 A jornalista Louise Redvers, do jornal sul-africano Mail and Guardian, contactou-me – por escrito – solicitando respostas para as perguntas que entendeu fazer, tendo como motivo principal a situação na colónia angolana de Cabinda. As respostas não foram publicadas. Diz a jornalista que não se tratou de censura mas de falta de espaço. Não está mal. Depois da portuguesa RDP/África, também os sul-africanos fazem o que o soba José Eduardo dos Santos manda.

 O curioso da questão, para além da inequívoca influência do regime angolano em muitos órgão de informação, é que antes da explicação de Louise Redvers já alguém do MPLA me tinha dito “que as respostas dadas ao Mail and Guardian nunca seriam publicadas”. E assim aconteceu.

Ficam contudo aqui as perguntas e as respostas às questões postas pelo jornalista Louise Redvers, do Mail and Guardian, ficando as conclusões ao critério dos leitores.

 Escreveu sobre o facto que “Vários jornalistas que trabalham fora de Angola foram e estão a ser contactados por mandatários do regime angolano. Voce pessoalmente foi contactado?

- Sim, fui contactado (o que, aliás, já aconteceu outras vezes) por diversas pessoas e por variadas formas (telefone, mails e pessoalmente) no sentido de deixar de escrever - a bem ou a mal - sobre Cabinda. Ou melhor, no sentido de deixar de escrever que o povo de Cabinda, tal como os timorenses ou os do Sahara Ocidental têm direito a escolher o seu futuro.

Pode dar nomes de outras jornalistas em quais pais que foram contactos?

- Esses colegas de jornais de Lisboa preferem, por razões de segurança, não se manifestarem. Esperam, legitimamente, uma melhor oportunidade para contarem o que passaram e que, em síntese, foi algo muito semelhante ao que se passou comigo.

Na sua opinão, será possível para silenciar as vozes sobre Cabinda?

- É possível silenciar, nomeadamente em Portugal, todos aqueles que não escrevem o que o regime angolano quer em relação ao que eu chamo de colónia de Cabinda. Veja, por exemplo, quantas notícias foram publicadas sobre a prisão de professores em Cabinda, sobre a prisão por algumas horas do Padre Congo, ou há mais tempo sobre o lançamento – em Lisboa e no Porto – do livro de Francisco Luemba, hoje detido em Cabinda. Poucas ou nenhumas. O silêncio é total.

Acha essa última repressão está ligado ao ataque da FLEC este mês?

- Está liga ao ataque da FLEC (também quase silenciado na Imprensa portuguesa), mas sobretudo a uma estratégia do regime angolano de querer acabar de uma vez por todas com a questão de Cabinda. E se o regime acredita (e talvez tenha razão) que do ponto de vista militar conseguirá acabar com a resistência, do ponto de vista político será mais difícil. Daí a estratégia de silenciar todos os que queiram falar do assunto.

E por fim, a causa da nova lei de seguranca (ainda ser promulgada) – voce acha que poderá ser uma amnistia das presos em Cabinda?

- Não. Não acredito. O regime angolano que é liderado há 31 anos por um presidente não eleito (José Eduardo dos Santos), continua a entender que a razão da força é mais importante do que a força da razão. E por isso tudo fará, tudo está a fazer, para silenciar todos os que – mesmo em Angola – pensam de maneira diferente.

 Por : Orlando Castro

 

2 votes. Moyenne 2.00 sur 5.

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site