Carta Aberta ao Presidente José Eduardo dos Santos

 

 Carta Aberta ao Presidente José Eduardo dos Santos

Pedimos ao Senhor PR, para fazer uso das faculdades que lhe são conferidas na Lei como Chefe do Estado angolano, para que aproveite o 11 de Novembro 2007 data da Comemoração da Independência Nacional, para oferecer ao Povo angolano uma das Melhores Prendas histórica, ao convocar a data definitiva das eleições gerais em Angola,...

Reverendo: Feliciano de Carvalho Loa


 

 

 

Pedimos ao Senhor PR, para fazer uso das faculdades que lhe são conferidas na Lei como Chefe do Estado angolano, para que aproveite o 11 de Novembro 2007 data da Comemoração da Independência Nacional, para oferecer ao Povo angolano uma das Melhores Prendas histórica, ao convocar a data definitiva das eleições gerais em Angola, após 32 anos de desgraça, sofrimento e Miséria para os angolanos, que nos parece estar sem fim onde o próprio Presidente José Eduardo dos Santos é um dos princípais responsável, já que está a frente dos destinos dos angolanos a 29 anos, pelo que é indiscutivel, toda a responsabilidade de má governação cai sobre a sua Cabeça.

 

Vivemos diariamente péssimas recorções da continualidade da precaridade extrema das condições de vida social e èconomica dos angolanos em todas as suas vertentes, pelo que, quem se refere das potênciais fontes de receitas do País se vai tornando para nós inaceitável após 5 anos de paz relativa fazer-se como nada se tivesse passa neste país.

 

·       Em realce ao sector da Saúde, não há sinais visiveis concretos e radicais de melhoria dos serviços Públicos hospitalares;

 ·        A Educação escolar para todos é ainda uma utopia;

 

·       Continuamos a carecer de um conceito nacional para garantir a Auto-sufiência alimentar para todos;

 ·       Casas para todos e Créditos Bancarios é só para alguns com caras bonitas que amam e adoram o Regime do Mpla;

 ·       O Mercado de Trabalho que deve garantir emprego para todos, nos parece adormecido na monotonia de que, tudo vai bem na sua normalidade a maneira do Mpla;

 

·       Em Angola falamos em desenvolvimento, sem ter o cuidado de resolver de forma honesta a maca do conceito de Transporte nacional no geral, dos Transportes públicos de passageiros em casos específicos das nossas Cidades em especifical do caso da Cidade Capita Luanda. A Maca dos Passes de acesso e de Livre Transito dos Alunos e Estudantes bem como da sua condição essencial do seu direito fundamento do estudante neste país, dos direitos dos diminuidos Fisicos e Mutilados de guerra bem como dos Velhos da Terceira Idade, a maca de Água, o nosso desenolvimento a modo do Mpla, é apenas criar Chafaris ou Fontenarios para a pupulação continuar a buscar Água pela Cabença e eles mesmos as sua Mulhers terem direito a água Canalizada em Casas que custa acima de 4 Milhões de Dolares americanos como temos acompamhado.

 

·       Desenvolvimento angolano do modo dos nossos actuais governantes, é apenas promover um país sem ter em conta o problema sério da Energia eléctrica para todos. Pelos vistos até quém quer produzir para desenvolver a produtividade nacional e garantir trabalho para alguns Cidadãos deste país, ele tem que comprar seu próprio Girador. Porque a a enérgia da Edel não é para quem quer.

 

·       Desenvolvimento sem Estradas adequadas e modernas, tira-nos o sono, a meia dúzia de Km de Estrada que se está construir não levará Angola ao desenvolvimento sustentado. Caminhos de Ferro Primitivos, os projectos caducos que tem em carteira, quando o Comboio de Luanda/Malanje chega a Ndalatando, tem que esperar até que o Combio que vem de Malanje passar para evitar a colisão, mesmo assim estamos a falar de modernidade no século 21, com aldrabices para justificar os Dinheiros públicos transferidos em contas bancarias privadas.

 

·        Não existe plano nacional abrangente efectivo e radical de construção de Escolas, Centros Profissionais e Universidades Públicas. Não temos nenhum conceito de formação nacional de todas as Criançase da nossa Juventude no seu todo como potência valiosa do futuro da Nação. É uma tristeza quem acompanha o plano nacional do Mpla de construção de Hospitais a nivel do País. Não temos um plano nacional sério de construção de Estradas Auto-estradas e Pontes eficazes para garantir de forma aceitavel a circulação de pessoais e Bens, para um país que quer apostar para o desenvolvimento.

 

·        Nós queremos mudanças em 2008 e não acrediitamos de que o Mpla está a espera de Eleições para Melhorarar as condições a vida dos angolanos, como quem nos queira dizer só em eleições é o momento ideal para se resolver os problemas do povo. Isto é uma pura mentira. Se em 32 anos de mandato não vimos nada, em 5 anos de paz relativa também parece-lhes estes anos foram poucos para elaborar conceitos sérios, e radicais para se traçar a trajectória definitiva urgente do fim da pobreza e miséria dos angolanos, também após eleições não vai mudar nada. Por isso aconselhamos o Mpla a ceder poder a outros nacionais competentes e com ideias renovadoras na base de tolerância nacional para promoverem de forma radical o combate a pobreza e a miséria dos angolanos. Porque o nosso
país, pode e tem a capacidade para apostar seguramente no combata a este fragelo e desgraça nacional.

 

·       Os angolanos unidos na base democratica o Dinheiro da Linha de Crédito da China é um fundo suficiente para garantir uma reconstrução nacional digna em Angola. No fim de contas vamos ver fumo todos, sobre o paradeiro deste dinheiiro e que no fim de contas as gerações vindouras estão condenadas a paga-lo 5 vezes mais do que vai sendo hoje desviado por uma dúzia de individuos.

 

·        Angola continua em Guerra, Cabinda é um exemplo vivo. O Fim de Guerra não é só o calar das Armas em certas regiões. Mpla parece-nos não estar interessado em acabar com a Guerra em Angola. Os novos acordos com Cuba é outro exempo grave.

 

·        Parece em Angola existir gente interessa em mergulhar denovo o nosso país numa Guerra entre os Irmãos para melhor desvalorizar o resultado das próximas eleições gerais, de forma aliviada continuarem a roubar, enquanto vão de um lado vão distraindo os angolanos genuinos.

 

·        Esta Situação de um futuro incógnito, sem esperança para os Cidadãos angolanos pela falta de um conceito definido a partida, isto é que perspectivas existem de combater os fenómenos destruidores das Familias angolanas e etc. que está a exterminar os angolanos devido a tantas doenças e problemas socio-écononicos familiares, naturalmente este estado Quo não deve deixar-nos tranquilos como genuinos Cidadãos angolanos;

 

·       Por outra regista-se em massa a continuidade do Fenómeno dos Cidadãos angolanos fugirem do país, ao envés de regressarem para o pais e ajudarem na reconstrução nacional. Ao contrário assistimos as Embaixadas em Luanda, estão cheias de expediente de Cidadãos angolanos a solicitar vistos de saida para nunca mais regressarem ao país, por culpa de uma má governação do nosso país, enfim;

 

Nesta conformidade, solicitamos a intervenção e contribuição activa das prestigiadas instânciais do Estado, para mudar este quadro antes que seja tarde, especialmente do Senhor Presidente da República, da Assembleia Nacional, do Procurador Geral da República, do Presidente dos Vestes do Tribunal Constitucional, dos Partidos Políticos da Oposição, das Igrejas e Associações de Caridade e defensores dos Direitos Humanos em Angola, do Povo angolano e em especial do Prevedor da Justiça, que nos parece estar num sono profundo a fazer figura triste, após tanto Show a volta de sua nomeação, volvidos mais de um ano contuamos a ver a Lei Fundamental violada sem a devida intervenção do Prevedor da Justiça:

 

É hora de fazermos a uinidade nacional na base da justiça, por que senão amanhã os mais jovens nos levarão a razão.

 

Sabemos bem de que não é facil engendrar separação de Poderes em
Angola, porque os Órgãos de Soberania é apenas figuras estáticas. O poder esta concentrado. Por isso se torna uma questão pretinente exigir "competências de autoridades" ja que o Poder Executivo, Judical e Legislativo ´só existe no papel em Angola. O Procuador Geral República  não reage, porque para além de receber ordens superiores ao envés de ser um independentista de acordo a lei vigente, ele é talvés também parente ou compadre!.., O Tribunal de Contas idem o Tribunal Supremo em vestes do Tribunal Constitucional idem. Tudo isso sabemos não é novo. O contorno em nossa modesta opinião é direccionado pela atitude distorcida dos Partidos Políticos de Oposição que não encontram coragem patriotica de assumir as repercussões do acto inédito de revogar para que seja destruida a actual Assembleia Nacional que não tem servido de formal cabal a representatividade do interesse nacional exigido pelo povo..

 

É hora de deixarmos de nos levar na distracção do nosso Trabalho de "Deveres de Casa" que é de Arrumar a nossa Casa, "a Mâe Pátria Angolana". Isto é de acabar definitivamente com a Guerra em Angola. Cabinda ainda está de Gritos, causados pela máquina de Guerra montada ali, que não ajuda em nada a verdadeira Unidade Nacional Almejada por maior dos angolanos genuínos. Entretanto tolerado por olhar silêncioso da maioria dos filhos desta Pátria.

 

Também um grande País como Angola, não pode continuadamente a esperar pelo apoio Técnico retardado a 32 anos com a República de Cuba senão da Uniao Soviética Comunista, que já era.

 

É hora de sairmos nesta fase de distraimento, mentira e aldrabices aos angolanos.

 

Necessitamos de um desenvolvimento digno com parecerias capacitadas e com uma moderna tecnologia do Mundo para cooperar connosco e não com a República de Cuba, repetindo os mesmos erros cometidos a 32 anos, momento da Indepedência Nacional. Chega!...

 

Apelamos a todos os intervenientes politicos nacionais para ajudar e apoiar de Corpo e Alma o Senhor Presidente da República José Eduardos dos Santos, a democratizar o País, como um dos valiosos pressupostos eficaz e Instrumento fundamental legal, de participação abrangente da maior proporcionalidade do povo angolano activo no processo de desenvolvimento, que é a única garantia basica para se melhorar as condições de vida de todos os angolanos pela justiça, solidariedade e Igualdade sem distinção de angolanos Nobres dos Pobres.

 

Deixemos de distrair o Povo angolano com Teatros de Julgamentos de Insubordinação se não com viagens a Cuba na busca de acordos de Cooperação Técnologica. Não é com Cuba que Angola vai sair do Dilema onde está metido.

 

Nós os Angolanos já não queremos mais Guerra, já não necessitamos de Guerrilheiros Internacionalistas Cubanos. Parem de fazer planos de Guerra  para  Angola.  

 

Em Angola ninguém, mas ninguém tem o direito de julgar ninguém, enquanto os que fazem as Leis eles mesmos não as respeitarem.

 

Porque em Angola todos vivemos na insubordinação de uma má governação a um povo, como o povo angolano que merece ser governado com gentileza e de forma responsável, pelo seu mérito e carácter natural de ser, como um povo humilde e generoso, mas que vem sofrendo a tantos anos injustamente e de forma desnecessária.

 

Neste contexto,  apelamos ao Senhor Presidente da República, para usar das suas funções de Chefe do Estado e talvez do mérito que lhe pode ser atribuido como "Estadista da Paz angolana" caso reconheça os seus erros. Seria salutar intervir e perdoar o General Fernando Garcia Miala e seus Colegas, para salva-los da Cadeia simulada pela Sentença junto do Supremo Tribunal Militar. E que no fim de contas o Senhor Presidente é o único que conhece bem toda verdade É necessário reconciliar e reunificar todos os angolanos de verdade, isto é na base do Perdão e tolerância Nacional, que amnistie a todos os angolanos findo a Guerra. Porque todos nós incluindo General Miala, todos os Órgãos de soberania do Estado, tem violado massivamente e na insubordinação tremenda a constitucionalidade do estado democratico de Angola e também as outras instituições que integram a Nação Angolana.

 

O Próprio Presidente da República viola sistematicamente a nossa Constituição, isto é, ele é um insubordinado contra a Lei fundamental vigente. Nesta óptica ele também não tem respeito ao povo Angolano no seu todo que ele cuida governar.

 

O Povo angolano não mandou a ninguém fazer guerra. Os angolanos genuinos também não ganharam nada com a Guerra que tivemos. Pelo que, o Povo não tem nada de melhor hoje em relação antes do tempo desta Guerra dentre Irmãos. O Comunismo soviético-cubano implantado em 1975 no País, não modou nada a vida dos angolanos, até que desapareceu. O Presidente Dos Santos ele mesmo a 29 anos no Poder não ofereceu nada de melhor aos angolanos sofredores em relação ao que os colonos portugueses fizarem, senão subjugar-nos, a exploração das riquezas de Angola para seus interesses. Pelo menos eles até construiram Prédios e até o próprio Presidente após 32 anos no poder ainda mora e Trabalha em Casas construidas por colonos.

Perguntamos-nos o que já fez o Mpla para além da guerra?!... quem beneficiou da Guerra?... Quem vive da Guerra?!....Com certeza absoluta a maioria do povo angolano não é. Também ninguém do povo deve ser penalizado de participar na reconstrução deste país, só porque não gostou e fugiu da Guerra ou então não concordou e opos-se da Guerra assassina e do genocidio contra o povo que tomou lugar em Angola durante os últimos 32 anos.

 

 

 

A Guerra deve acabar e todos devemos ser perdoados para que juntos possamos de mãas dadas erguer uma nova
Angola. Uma Angola para todos  porquee não é justo alguns se julgarem mais angolanos que os outros, sobretudo nesta hora da reconciliação nacional.

 

Nós queremos construir uma nova Angola de Paz , igualdade e Justiça, onde todos se sintam angolanos justiçados com as Leis que temos, por isso o exemplo deve começar pelo próprio Presidente da República, acabar com a divisão entre angolanos.

Para que tenhamos um Presidenta da República de unidade entre todos os angolanos

Por isso eu pessoalmente na minha modesta opinião não me importei dos danos que o General Miala teria cometido contra o Povo Angolano, também não sou ninguém para contra-atacar ninguém nestas possiveis virtudes, e acusações divulgadas contra altos responsaveis da Secreta do Estado angolano. Concerteza General Miala, ele não foi nenhum Santo nas suas funções. Porém, é hora de todos compreendermos de que devemos começar a dar o primeiro passo honesto e sincero em direcção ao" Perdão nacional" para todos sem distinção, se desejamos de verdade tirar Angola da Crise, divisões, Intrigas, Pobreza e Miséria extrema em que se encontra o nosso povo inocente.

Existe tantos outros casos vergonhosos que conhecemos, em especial o Caso Miala, deixou de ser caso só da Familia Mpla e tomou a dimensão nacional, pelo que, colocou em causa a Justiça e o Sistema Judicial do País, da nossa Democracia nascente e de todo o Estado angolano.

 

 

Voltar

1 vote. Moyenne 5.00 sur 5.

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site

×