CHINA E INDIA - NOVOS GARIMPEIROS DE AFRICA

CHINA E INDIA - NOVOS GARIMPEIROS DE AFRICA

Alerta  de Lopo do Nascimento, antigo primeiro-ministro de Angola

O antigo primeiro-ministro de Angola Lopo do Nascimento alertou hoje, no Porto, para o crescente investimento da China e da Índia em África como potenciador de uma nova "garimpagem" deste continente. Segundo o deputado do MPLA, a China "domina o comércio com África", tendo já "700 empresas em actividade" em 49 dos 54 países africanos.


"A China e a Índia poderão estar em vias de protagonizar a segunda grande garimpagem do continente africano, ainda que em moldes um pouco diferentes do que aconteceu com as ex-potências coloniais", afirmou Lopo do Nascimento, na conferência "Europa-África: uma estratégia comum?", que a Fundação Portugal-África está a promover até sábado.

Segundo o deputado do MPLA, a China "domina o comércio com África", tendo já "700 empresas em grande actividade" em 49 dos 54 países africanos.

"Em 2005, as trocas comerciais África-China ascenderam a quase 38,6 milhões de dólares, 39 por cento mais do que em 2004", realçou, defendendo que está em construção no continente "uma nova geografia da cooperação e da ajuda internacional".

Lopo do Nascimento salientou que "a China também tem uma estratégia de dominação política mundial", mas "os africanos não são ingénuos ao ponto de considerarem isenta de ameaças a cooperação com a China".

O ex-primeiro-ministro da Angola notou que, a manter o actual ritmo de crescimento, "em 2050, a China será a maior economia do planeta".

"A penetração da China em África constitui, para todos os efeitos, uma autêntica onda de choque na economia mundial. Por isso se começa a questionar se o esperado confronto com os Estados Unidos não terá a África como grande cenário", destacou.

Lopo do Nascimento admitiu que "os Estados Unidos e, particularmente, a Europa acabem por ver reduzida a sua tradicional margem de actuação no continente" africano.

O deputado angolano reconheceu que foi por "culpa própria" que "a África Subsaariana não conseguiu definir e aplicar um modelo próprio de desenvolvimento económico", mas atribuiu aos "efeitos duradouros" da dominação colonial europeia parte da dificuldade em alterar o padrão de especialização produtiva.

Lopo do Nascimento criticou também a forma como os países doadores têm encarado a ajuda pública ao desenvolvimento, dando como exemplo que 80 em cada 100 dólares disponibilizados a estados africanos vão para salários dos técnicos expatriados.

"Significa que pelo menos 80 por cento dos fundos regressam aos países doadores", realçou.

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site

×