«Alguns sentem-se mais angolanos do que os outros», diz Isaías Samakuva

«Alguns sentem-se mais angolanos do que os outros», diz Isaías Samakuva

O presidente da UNITA afirma em entrevista à Agência Lusa em Luanda que persiste a ideia de que os apoiantes do seu partido não são angolanos, faltando "um longo caminho para completar a identidade nacional".


A menos de um mês das eleições legislativas de 5 de Setembro, Isaías Samakuva diz que "é costume ainda falar dos angolanos e os da UNITA, como se os angolanos da UNITA não fossem angolanos".

Centrando a mensagem da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) na mudança, Samakuva refere que é preciso modificar os dirigentes do país e também "a forma como o angolano encara o outro angolano".

"As diferenças políticas em Angola, na mentalidade actual, separam as pessoas", afirma o líder da oposição.

"Ainda não podemos dizer que todos os angolanos se identificam como angolanos, alguns sentem-se mais angolanos do que os outros. Tudo isso tem de mudar", defende.

Isaías Samakuva refere que o país ainda tem "um longo caminho para completar a sua identidade nacional", propondo uma "mudança estrutural, cultural, onde as prioridades têm de ser outras".

Em Angola, sustenta, "a prioridade não parece ser o Homem, parece ser a riqueza que não resulta do trabalho das pessoas, mas da corrupção, que beneficia apenas o homem que detém o poder e não o cidadão na sua generalidade".

"A atitude hoje dos governantes é pensar em enriquecer primeiro e não como servidores do povo mas de si próprios", acusa.

"Temos que operar essa mudança antes de pensar em mudanças de políticas, na economia, saúde e educação", sublinha.

A UNITA tem denunciado "a transferência de dinheiros públicos para indivíduos que são do regime e que se servem do erário público para benefício privado", refere Samakuva.

"Até o Presidente da República afirma que a corrupção é o segundo mal em Angola depois da guerra", diz.

Se for Governo, "a UNITA agirá de forma diferente" e compromete-se a combater a corrupção, "um mal endémico", que, no seu entender, "não melhora, está a piorar".

Em caso de vitória nas legislativas, a UNITA, garante o seu presidente, não cairá na tentação de substituir o aparelho de Estado com os seus apoiantes, propondo uma "mudança suave, que mantenha o que funciona bem e que respeite os construtores e a construção", tendo em conta "a estabilidade do país".

Nesse sentido, diz que a maior garantia que pode dar é que "a UNITA acredita em mandatos de quatro em quatro anos, acredita em eleições" e que "não haverá mais um governo de 30 anos sem eleições".

O presidente da UNITA demonstra não estar impressionado com o trabalho do executivo angolano, no âmbito das obras de reconstrução nacional, referindo que "qualquer governo que se preze não poderia fazer menos do que aquilo que está a ser feito".

"Difícil era o Governo não fazer o que fez", afirma.

"Os dinheiros que hoje se utilizam nas obras de caça ao voto poderiam ter sido aplicados há pelo menos quatro anos", afirma Samakuva, expressando a ideia de que "são obras que ainda não têm impacto real na qualidade de vida desejada pelas populações".

Reconhecendo que "a melhoria das estradas vai permitir maior circulação de pessoas e de bens", o presidente da UNITA diz que, "se esta azáfama se verificasse há quatro anos, haveria mais áreas do país a beneficiar do trabalho", em vez de existirem regiões que "ainda estão como no tempo da guerra".

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site