Samakuva lembra a Sócrates que é o povo angolano quem vota

Samakuva lembra a Sócrates que é o povo angolano quem vota

O primeiro-ministro português, José Sócrates, não poderia dizer o contrário quando elogiou o Governo de Angola, afirma o presidente da UNITA, lembrando porém que "é o povo angolano que vota" nas legislativas de 5 de Setembro.


Por: Henrique Botequilha
da Agência Lusa

No passado 17 de Julho, José Sócrates realizou uma visita de trabalho a Luanda, onde afirmou que "o trabalho do Governo de Angola é a todos os títulos notável".

Em entrevista à Agência Lusa em Luanda, o presidente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Isaías Samakuva, considera que "o primeiro-ministro português não pode vir a Angola dizer o contrário", defendendo, no entanto, que "qualquer governo que se preze não poderia fazer menos que aquilo que está a ser feito" em Angola.

Isaías Samakuva afirma que "o Governo poderia ter feito muito mais e com calma, porque nesta corrida contra o tempo, a qualidade das obras não é a mais desejada".

"Esta corrida poderá ter impressionado o primeiro-ministro português, mas são obras que ainda não têm impacto real na qualidade de vida das populações", adianta.

"Não é o que o primeiro-ministro vem dizer que nos preocupa, o que conta é o que o povo angolano vê, vive no dia-a-dia, porque é o povo angolano que vai votar", afirma o líder da UNITA, partido que está representado no Governo de Unidade e Reconciliação Nacional.

A menos de um mês das legislativas de 05 de Setembro, o presidente da UNITA diz que reprovará qualquer visita a Angola de um chefe de Estado ou de governo no período eleitoral.

"Numa altura destas, de campanha, será uma tentativa de demonstrar apoio a um dos partidos - gostaríamos que isso não acontecesse", avisa.

O Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), partido no poder, tem usado no seu discurso o prestígio internacional que Angola está a ganhar, alertando para a sua continuidade no Governo como uma garantia para a comunidade internacional.

"Sarkozy, Bush ou Lula vêm para Angola por causa de Angola e do seu povo e não por causa do MPLA", assinala Samakuva, referindo-se aos presidentes francês, norte-americano e brasileiro, respectivamente.

"Nós também somos recebidos nas capitais europeias, mas não é por causa da UNITA, é por causa de Angola e dos angolanos", sustenta.

"Nós temos conversado com dirigentes desses países que dizem palavras laudatórias ao Governo, mas, para eles, o que conta é a manutenção das relações com Angola. E isso a UNITA garante", afirma.

Nas legislativas, Isaías Samakuva está convicto de que "Angola vai dar um exemplo a África e não só".

"Muitos estão pessimistas, com receio, pensando que, se o MPLA perde, poderá acontecer o que vimos no Zimbabué e no Quénia. Eu creio que não", adianta, mostrando-se ainda convencido de que "os dirigentes do MPLA e o Presidente da República, na sua qualidade de garante da estabilidade nacional, farão com que o poder seja entregue ao partido que o povo escolher".

Integrada na União Democrática do Centro, um espaço político que reúne mais de cem países do mundo inteiro, Samakuva identifica o seu partido como social-democrata e diz que vai buscar apoios e financiamentos a movimentos políticos em África, Europa e América.

"Mas não temos ilusões, sempre considerámos que os apoios e amizades estão sobretudo na base de interesses", afirma.

Segundo Samakuva, a "UNITA é um partido que visa assumir o poder político e, por isso, estando no poder, todos os países com interesses em Angola, darão os seus apoios".

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site