As promessas da Unita

As promessas da Unita

Luanda - Caso o segundo maior partido angolano vença as próximas eleições legislativas, o seu governo partirá de um cenário no domínio da educação que os seus estrategos catalogaram em cifras pouco mais que constrangedoras para o país.

A Unita diz que Angola possui hoje uma taxa estimada de analfabetismo de 58%, enquanto a média africana é de 38%. Segundo esse partido, cerca de um terço das crianças entre os 5 e os 11 anos não tem instrução. Todos os anos, milhares de crianças ficam fora do sistema escolar e, no ensino secundário, apenas 18% de rapazes e 13% de raparigas inscrevem-se, o que situa o nível educacional do país entre os mais baixos do mundo.

O partido que lidera a oposição em Angola assinala que a nossa qualidade de ensino retrocedeu de tal forma que a Unesco deixou de reconhecer os cursos no país e que a corrupção tornou o ensino num bem dispendioso e inacessível aos mais pobres.

«A falta de investimento no sector», garante ainda a Unita, «tem sido uma constante»: entre 1997 e 2001, foram consagrados à educação uma média de 4,7% do orçamento fiscal, enquanto a média da Sadc foi de 16,7%; e no ano passado foram consagrados 9,3%. Para este partido, o problema não está apenas na limitação dos recursos, mas também na iniquidade de que enferma a sua distribuição: nas contas da Unita, Angola disponibilizou para o litoral $15 per capita, enquanto para o interior a cifra foi de $5 per capita.

Nesta conformidade, para sanar esse quadro geral nada lisonjeiro para o país, os estrategos da Unita definiram como objectivos intensificar o esforço de generalização, melhoria de qualidade e aumento de rendimento da acção educativa. Outro objectivo será valorizar e prestigiar a carreira docente de modo a torna-la das mais atraentes. Tenciona igualmente promover a melhoria de qualidade e o acréscimo do número de agentes de ensino, tornando mais rigorosa a sua preparação e qualificação , e criando novos sistemas de remuneração e estímulo, bem como o asseguramento da sua permanente actualização e aperfeiçoamento.

A Unita garante, por outro lado, que promoverá o alargamento da rede escolar, procedendo a um estudo cuidado, no conjunto dos vários graus e ramos de ensino tanto público como particular, e acompanhando e orientando permanentemente a sua evolução coordenada. Diz que continuará o esforço de construção, beneficiação e apetrechamento de escolas e, ao mesmo tempo, realizará estudos permanentes e sistemáticos tendentes a encontrar para estas instalações as melhores soluções dos pontos de vista técnico, de construção, pedagógico e económico.

Está nos planos deste partido, fomentar a acção social escolar nas suas múltiplas modalidades, em ordem, segundo diz, a possibilitar os estudos para além da escolaridade obrigatória a todos os que tenham real capacidade para os prosseguir, independentemente das suas condições económicas, de forma a proporcionar aos estudantes em geral condições propícias para tirarem dos estudos o máximo rendimento.

O último objectivo perseguido é fomentar a educação permanente e procurar, frisa a Unita, «evitar o fenómeno da realfabetização decorrente do meio social em que vive a maior parte da população escolar». Para chegar a tanto, a estratégia da Unita passa por reestruturar os Serviços de Educação e instituir um Conselho Nacional de Educação.

Os primeiros darão «a dimensão e a funcionalidade que a mudança impõe e a recente expansão do ensino justifica», enquanto a segunda instituição configurar-se-á num órgão consultivo e fiscalizador da Administração Pública, encarregue da planificação global das políticas de educação, acompanhamento e revisão da execução dos planos sectoriais e da supervisão dos estudos e projectos afins, visando o alcance dos objectivos da mudança.

Outra estratégia será maximizar o uso das tecnologias de informação e da comunicação social com vista à massificação do conhecimento, dos valores da angolanidade e da cultura nacional, bem como a promoção de medidas e incentivos para materializar estruturas permanentes de educação. A estratégia da Unita também passa por descentralizar e desconcentrar a gestão da disponibilidade dos meios humanos e matérias afectos à Direcção de Inspecção do Sector e ainda providenciar a criação de delegados escolares – definidos como «elementos polivalentes» – em municípios que disponham de pelo menos 50 agentes de ensino.

Outro aspecto será atenuar as diferenças existentes entre os agentes docentes do ensino básico elementar e os funcionários de outros quadros com idênticas habilitações através de critérios de classificação para a mudança de categoria ou concessão de subsídios. E criar estruturas e programas para assegurar a reciclagem e desenvolvimento regular, sistemático e permanente de todos os agentes de ensino. Em matéria curricular, assegurar que todos os currículos pós-primários incluam matérias sobre o país, nomeadamente a sua ecologia geografia humana e económica, línguas e cultura.

E, por outro lado, adaptar progressivamente os currículos escolares e académicos às necessidades do desenvolvimento humano e do mercado de trabalho para atender especificamente aos programas de industrialização e modernização de Angola que impulsionarão o seu desenvolvimento sustentável e descentralizado. Finalmente, pretende a Unita, em função da sua «agenda estratégica de mudança» e do que diz serem «parcerias estratégicas», definir uma política de investigação e pesquisa com vista a criar e estimular o desenvolvimento de capacidades científicas de inovação em todos os processos e sistemas.

Fonte: Semanário Angolense

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site