Eleições livres e justas? Nem a fé da Igreja

Eleições livres e justas? Nem a fé da Igreja
lhe permite acreditar que tal será possível

Responsáveis da Igreja angolana revelam alguma apreensão quanto às legislativas da próxima sexta-feira, questionando mesmo se o ambiente é propício a eleições livres e justas. Para bom entendedor... No entanto a comédia (que pode virar tragédia) continua.


Trata-se, contudo, de uma análise subjectiva da Igreja. Dos manuais do partido que (des)governa Angola há 33 anos, o MPLA, e que ainda recentemente mereceu rasgados elogios do primeiro-ministro português, consta uma definição bem objectiva: as aleições serão livres e justas se forem ganhas pelo... MPLA.

O padre José Imbamba, director do serviço de comunicações da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé, afirmou à Agência Ecclesia estar ao corrente dos receios da população face às eleições, dizendo que "não o podemos negar. A experiência de 1992 foi dura e deixou marcas em muitas pessoas."

O sacerdote referia-se à violência que deflagrou após as últimas eleições em Angola e que, segundo o MPLA, também terão sido livres e justas porque foi ele o vencedor. Muitos observadores disseram o contrário, mas a verdade é só uma, a do MPLA e mais nenhuma.

O governo do presidente José Eduardo dos Santos, que também é presidente do MPLA, já garantiu que estão reunidas todas condições para que o escrutínio decorra de forma pacífica e democrática, mas os próprios cidadãos estão apreensivos.

Perante os receios, o padre Imbamba apela aos angolanos para "votarem sem medo e darem uma resposta aos políticos, manifestando-se assim contra a guerra". Recorde-se que as eleições de 5 de Setembro são as primeiras desde o fim da sangrenta guerra civil no país, em 2002.

Mas não é apenas a Igreja que se manifesta preocupada com as legislativas de sexta-feira. O presidente da Associação Cívica Justiça, Paz e Democracia, Fernando Macedo, alerta para a disparidade de meios do partido que sustém o governo.

"Há partidos a distribuir bicicletas, carros, motas e outros bens de alta valia material e fazem-no com orientação de voto", declarou Fernando Macedo, citado pela Rádio Renascença, denunciando a existência de corrupção na campanha eleitoral angolana e um tratamento privilegiado ao MPLA. Que grande novidade!
(ver «
MPLA distribui dinheiro, cerveja e uisque»).

Curioso, ou nem tanto, é ver que se não forem outros a dizerem estas verdades, os jornalistas não assumem na primeira pessoa essas denúncias. Tudo o que, entre muitos outros, é dito pelo Fernando Macedo é constatado pelos jornalistas que, contudo, não se atrevem a dizê-lo. A liberdade apregoada pelo MPLA tem destas coisas.

Alguém viu os jornalistas interessados em dizer ao mundo que mais de 68% da população angolana vive em pobreza extrema e que a taxa estimada de analfabetismo é de 58%?

Alguém viu os jornalistas interessados em dizer ao mundo que mais de 90% da riqueza nacional privada foi subtraída do erário público e está concentrada em menos de 0,5% da população?

Alguém viu os jornalistas interessados em dizer ao mundo que a dependência sócio-económica a favores, privilégios e bens, ou seja, o cabritismo, é o método utilizado pelo MPLA para amordaçar os angolanos?

Alguém viu os jornalistas interessados em dizer ao mundo que o seu silêncio, ou omissão, se deve à coação e às ameaças do partido que está no poder há 33 anos?

Alguém viu os jornalistas interessados em dizer ao mundo que a corrupção política e económica é, hoje como ontem, utilizada contra todos os que querem ser livres?

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site

×