ANGOLA é PIOR na maioria dos indicadores de BM

Angola é o pior na maioria dos indicadores de governação do Banco Mundial

Angola tem, entre os países lusófonos, a pior a classificação na maioria dos indicadores de governação do Banco Mundial, incluindo corrupção e eficácia governamental.

No relatório Indicadores Globais da Governação 1998-2006, divulgado terça-feira ao final do dia, Angola surge no indicador "controlo da corrupção" no percentil 8,7, o que significa que apenas 8,7 por cento dos 212 países incluídos estão abaixo deste nível.

A Guiné-Bissau surge no percentil 15,5 e Timor-Leste no 19,9.

Os dois melhores neste aspecto são Portugal (82,5) e Cabo Verde (72,8), que surge bem à frente do Brasil (47,1).

Os dados do relatório, da autoria dos economistas Daniel Kaufmann, Aart Kraay e Massimo Mastruzzi, são calculados pelo Banco Mundial a partir de diversas fontes, como institutos de pesquisa, centros de análise, organizações não-governamentais e outro tipo de organizações internacionais.

No "painel" de avaliação dos seis indicadores estão a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), Economist Intelligence Unit, Banco de Desenvolvimento Africano (BAD), Afrobarómetro, Gallup ou Departamento de Estado norte-americano, num total de 33 fontes e dezenas de milhar de inquiridos.

Além da corrupção, o estudo abrange os indicadores "voz e responsabilização", "estabilidade política e ausência de violência", "qualidade da regulação", "cumprimento da lei" e "eficácia governamental".

Neste último, Angola surge no percentil 10,9, novamente abaixo da Guiné-Bissau e Timor-Leste.

Bem maior é a diferença entre com os restantes "oito" no que diz respeito a "voz e responsabilização", que mede a participação dos cidadãos na política - Angola está no percentil 11,5, e o segundo pior, a Guiné-Bissau, no 33,7.

O cumprimento da lei é o pior resultado de Angola (7,1), e também da Guiné-Bissau (9,0).

O melhor resultado, cuja recuperação merece até destaque do Banco Mundial, é na estabilidade política, em que Angola surge no percentil 28,8, ligeiramente acima da Guiné-Bissau (26,4).

Na qualidade da regulação, Angola (7,1) surge ligeiramente melhor do que Timor-Leste (6,8).

A melhor classificação de Timor-Leste é na "voz e responsabilização" (38,5), tal como na Guiné (33,7).

Em São Tomé e Príncipe, mostram os números apresentados pelo Banco Mundial, o pior é a eficácia do governo (20,9) e o melhor a estabilidade política e ausência de violência (64,4).

O melhor em Cabo Verde e em Moçambique é a ausência de violência (78,8 e 63,9, respectivamente)) e o pior a qualidade da regulação (45,4 e 30,7).

O Brasil destaca-se na voz e responsabilização (58,7) e o pior é o cumprimento da lei (41,4).

Portugal apresenta a sua pior classificação na estabilidade política (76) e a melhor em voz e responsabilização (90,4).

Para os autores do estudo, os números dão conta de melhorias a nível mundial na governação, e particularmente no combate à corrupção, incluindo em África.

"A notícia auspiciosa é que um número considerável de países, mesmo em África, está a mostrar que é possível fazer progressos significativos na governação num período de tempo relativamente curto; estas melhorias são cruciais para a eficácia da ajuda e para um crescimento sustentado a longo prazo", afirma Daniel Kaufmann, co-autor do estudo.

De acordo com os autores do estudo, a corrupção movimenta anualmente um bilião de dólares em todo o mundo.

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site