Terceiro fôlego de Eduardo dos Santos

Terceiro fôlego de Eduardo dos Santos
ImageNo poder desde 1979, o Presidente angolano vai ser candidato à sua própria sucessão. Será a segunda vez que vai a votos. Sucedeu a Agostinho Neto, derrotou Jonas Savimbi e quer continuar Presidente após 2009.

Foi o secretário-geral do MPLA, Julião Mateus Paulo, mais conhecido como "Dino Matrosse", quem anunciou na quarta-feira que José Eduardo dos Santos será "o candidato natural e único" do MPLA nas presidenciais previstas para o próximo ano.

Chegado ao poder em 1979, nos tempos da República Popular, o engenheiro de petróleos foi depois a votos em 1992, numas eleições marcadas pelo clima de guerra civil, e procura agora nova confirmação num cargo que ocupa há três décadas.

Líderes mais antigos em África são já poucos, se bem que no continente esteja o recordista mundial, Omar Bongo, do Gabão, no poder desde 1967.

A recandidatura de Eduardo dos Santos - que em 1992 não viu confirmado o seu triunfo numa segunda volta porque a UNITA de Jonas Savimbi regressou à guerrilha depois de assassinados vários dos seus dirigentes em Luanda - contraria os rumores sobre o seu estado de saúde, mas mostra igualmente não haver ainda um sucessor para este homem que em 2009 fará 67 anos.
E persistem dúvidas sobre se a eleição será por voto popular ou na Assembleia, onde o MPLA conta 191 dos 220 deputados.

"Dino Matrosse" negou que o Presidente defenda a segunda opção, esclarecendo que a iniciativa de mudança constitucional nesse sentido foi apresentada por um pequeno partido.

As legislativas de Setembro mostraram a enorme influência do MPLA, que obteve 81%, e a diluição da base de apoio da UNITA desde a morte de Savimbi.
Mas um relatório dos observadores da União Europeia fala de falta de transparência e de problemas de organização durante as eleições. Também o sindicato angolano dos jornalistas criticou a parcialidade dos media estatais e apelou a maior transparência.

O triunfo do MPLA pode ser entendido como natural tendo em conta que os dinheiros do petróleo alimentam uma enorme militância.

E o crescimento económico perto dos 20% anuais também ajudou ao resultado do partido do Governo, apesar das constantes denúncias de corrupção e de 70% dos angolanos viverem com menos de dois euros por dia.

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site