Estão na linha de fogo por criticarem Luanda

Estão na linha de fogo por criticarem Luanda

Na recente visita a Lisboa, ministro Manuel Rabelais foi estimulado a “sensibilizar” os jornalistas que não alinham

Segundo o mais recente relatório da Amnistia Internacional, a Polícia angolana considera-se "acima da lei" e viola os direitos do homem com toda a impunidade. Isto passa-se em Angola. No entanto, noutros países onde o MPLA mantém intacta a estrutura que tinha antes dos acordos de paz, os seus homens teimam em, de vez em quando, pôr em prática as estratégias intimidatórias dos velhos tempos.


A mais recente actuação dos gorilas angolanos ao serviço do MPLA, ou por conta própria, aconteceu em Portugal quando resolveram “aconselhar” alguns jornalistas críticos do regime de Luanda a deixarem de escrever “contra o regime angolano”.

Tanto quanto o NL apurou, são já vários os jornalistas que nos últimos tempos foram visitados pelos guardiães do reino de José Eduardo dos Santos a quem, aliás, terá sido proposto uma outra opção: serem pagos para escreverem “coisas” diferentes.

Os contactos que o NL fez com alguns desses jornalistas foram infrutíferos porque, ao contrário do que era esperado ou suposto, todos disseram desconhecer tal acção intimidatória.

De qualquer modo, as nossas fontes, tanto angolanas como portuguesas, garantem-nos a veracidade da informação e acreditam “que o silêncio dos envolvidos é proporcional às ameaças recebidas”.

É claro que a estratégia não se resume, bem pelo contrário, aos jornalistas portugueses. Basta ver que, há poucos dias, alguns profissionais do semanário angolano “Agora” foram ameaçados de morte em Luanda.

Curiosamente, ou talvez nem tanto, estes episódios aconteceram na altura em que o ministro da Comunicação Social de Angola, Manuel Rabelais, foi a Lisboa conversar com os jornalistas naturais de Angola a trabalharem em Portugal e envolveu alguns profissionais que se recusaram a estar presentes nesse encontro.

Os jornalistas presentes manifestaram ao ministro angolano a disponibilidade de colaborar com o Governo no desenvolvimento da comunicação social no país, o que foi aplaudido por Manuel Rabelais.

No encontro terá igualmente sido dito ao ministro “que seria aconselhável sensibilizar os mais críticos para a nova realidade angolana”.

Terá sido essa sensibilização que levou os guardiães do reino a intimidar alguns?

Fonte: NL

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Commentaires (2)

1. meireles (site web) 27/06/2008

( DOCUMENTO PERTENCENTE AO ESPOLIO DO DR HUGO JOSÉ AZANCOT DE MENEZES ,UM DOS FUNDADORES DO M.P.L.A.)

MOVIMENTO POPULAR DE LIBERTAÇÃO DE ANGOLA
(M.P.L.A.)
51.Avenue Tombeur de Tabora ,51
3.P. 720 - LEOPOLDVILLE

COMUNICADO A TODA ORGANIZAÇÃO DO M.P.L.A.


Nas condições particularmente difíceis em que decorre a revolução Angolana, o Congresso do M.P.L.A. Está impossibilitado de intervir normalmente na solução dos problemas da sua competência.

Para as condições anormais do presente , impõe-se um processo excepcional, salvaguardando -se porém todo respeito à competência do congresso para logo que as condições da nossa luta voltarem ao mínimo de normalidade.

O comité Director do M.P.L.A. Nas suas sessões de 13 , 21 e 22 de Maio de 1962, com a intenção única de fazer avançar a revolução com o máximo de eficácia e de segurança , decidiu - com plena responsabilidade de que dará conta ao próximo congresso - remodelar o comité Director do M.P.L.A..
O novo Comité Director do M.P.L.A. é assim constituído:

MARIO DE ANDRADE

MATIAS MIGEIS

HUGO DE MENEZES

LUIS DE AZEVEDO JUNIOR

GRAÇA DA SILVA TAVARES

DEOLINDA D`ALMEIDA

JOSÉ BERNARDO DOMINGOS

GEORGES MANTEYA DE FREITAS

VER. DOMINGOS FRANCISCO DASILVA

DESIDERIO DA GRAÇA

JOÃO VIERA LOPES

JOÃO GONÇALVES BENEDITO

JOSÉ MIGUEL
Mário de Andrade continua com as funções de Presidente do M.P.LA.
Matias Migueis passa a exercer as funções de vice - Presidente do M.P.L.A.
O posto de Secretario - Geral é substituído por um Secretário cuja composição é a seguinte:

Graça da Silva Tavares - 1º secretário

João Viera Lopes - 2º secretário

Desidério da Graça - 3º secretário


O novo Comité Director do M.P.L.A. Entra imediatamente em função.

Léopoldville ,25 de maio de 1962.




O COMITÉ DIRECTOR

2. meireles 04/02/2008

O PERCURSO De DR HUGO JOSÉ AZANCOT DE MENEZES

Hugo de Menezes nasceu na cidade de São Tomé a 02 de fevereiro de 1928, filho do Dr Ayres Sacramento de Menezes.

Aos três anos de idade chegou a Angola onde fez o ensino primário.
Nos anos 40, fez o estudo secundário e superior em Lisboa, onde concluiu o curso de medicina pela faculdade de Lisboa.
Neste pais, participou na fundação e direcção de associações estudantis, como a casa dos estudantes do império juntamente com Mário Pinto de Andrade ,Jacob Azancot de Menezes, Manuel Pedro Azancot de Menezes, Marcelino dos Santos e outros.
Em janeiro de 1959 parte de Lisboa para Londres com objectivo de fazer uma especialidade, e contactar nacionalistas das colónias de expressão inglesa como Joshua Nkomo( então presidente da Zapu, e mais tarde vice-presidente do Zimbabué),George Houser ( director executivo do Américan Commitee on África),Alão Bashorun ( defensor de Naby Yola ,na Nigéria e bastonário da ordem dos advogados no mesmo pais9, Felix Moumié ( presidente da UPC, União das populações dos Camarões),Bem Barka (na altura secretário da UMT- União Marroquina do trabalho), e outros, os quais se tornou amigo e confidente das suas ideias revolucionárias.
Uns meses depois vai para Paris, onde se junta a nacionalistas da Fianfe ( políticos nacionalistas das ex. colónias Francesas ) como por exemplo Henry Lopez( actualmente embaixador do Congo em Paris),o então embaixador da Guiné-Conacry em Paris( Naby Yola).
A este último pediu para ir para Conacry, não só com objectivo de exercer a sua profissão de médico como também para prosseguir as actividades políticas iniciadas em lisboa.
Desta forma ,Hugo de Menezes chega ao já independente pais africano a 05-de agosto de 1959 por decisão do próprio presidente Sekou -Touré.
Em fevereiro de 1960 apresenta-se em Tunes na 2ª conferência dos povos africanos, como membro do MAC , com ele encontram-se Amilcar Cabral, Viriato da Cruz, Mario Pinto de Andrade , e outros.
Encontram-se igualmente presente o nacionalista Gilmore ,hoje Holden Roberto , com o qual a partir desta data iniciou correspondência e diálogo assíduos.
De regresso ao pais que o acolheu, Hugo utiliza da sua influência junto do presidente Sekou-touré a fim de permitir a entrada de alguns camaradas seus que então pudessem lançar o grito da liberdade.

Lúcio Lara e sua família foram os primeiros, seguindo-lhe Viriato da Cruz e esposa Maria Eugénia Cruz , Mário de Andrade , Amílcar Cabral e dr Eduardo Macedo dos Santos e esposa Maria Judith dos Santos e Maria da Conceição Boavida que em conjunto com a esposa do Dr Hugo José Azancot de Menezes a Maria de La Salette Guerra de Menezes criam o primeiro núcleo da OMA ( fundada a organização das mulheres angolanas ) sendo cinco as fundadoras da OMA ( Ruth Lara ,Maria de La Salete Guerra de Menezes ,Maria da Conceição Boavida ( esposa do Dr Américo Boavida), Maria Judith dos Santos (esposa de um dos fundadores do M.P.L.A Dr Eduardo dos Santos) ,Helena Trovoada (esposa de Miguel Trovoada antigo presidente de São Tomé e Príncipe).
A Maria De La Salette como militante participa em diversas actividades da OMA e em sua casa aloja a Diolinda Rodrigues de Almeida e Matias Rodrigues Miguéis .


Na residência de Hugo, noites e dias árduos ,passados em discussões e trabalho… nasce o MPLA ( movimento popular de libertação de Angola).
Desta forma é criado o 1º comité director do MPLA ,possuindo Menezes o cartão nº 6,sendo na realidade Membro fundador nº5 do MPLA .
De todos ,é o único que possui uma actividade remunerada, utilizando o seu rendimento e meio de transporte pessoal para que o movimento desse os seus primeiros passos.
Dr Hugo de Menezes e Dr Eduardo Macedo dos Santos fazem os primeiros contactos com os refugiados angolanos existentes no Congo de forma clandestina.

A 5 de agosto de 1961 parte com a família para o Congo Leopoldville ,aí forma com outros jovens médicos angolanos recém chegados o CVAAR ( centro voluntário de assistência aos Angolanos refugiados).

Participou na aquisição clandestina de armas de um paiol do governo congolês.
Em 1962 representa o MPLA em Accra(Ghana ) como Freedom Fighters e a esposa tornando-se locutora da rádio GHANA para emissões em língua portuguesa.

Em Accra , contando unicamente com os seus próprios meios, redigiu e editou o primeiro jornal do MPLA , Faúlha.

Em 1964 entrevistou Ernesto Che Guevara como repórter do mesmo jornal, na residência do embaixador de Cuba em Ghana , Armando Entralgo Gonzales.
Ainda em Accra, emprega-se na rádio Ghana juntamente com a sua esposa nas emissões de língua portuguesa onde fazem um trabalho excepcional. Enviam para todo mundo mensagens sobre atrocidades do colonialismo português ,e convida os angolanos a reagirem e lutarem pela sua liberdade. Estas emissões são ouvidas por todos cantos de Angola.

Em 1966´é criada a CLSTP (Comité de libertação de São Tomé e Príncipe ),sendo Hugo um dos fundadores.

Neste mesmo ano dá-se o golpe de estado, e Nkwme Nkruma é deposto. Nesta sequência ,Hugo de Menezes como representante dos interesses do MPLA em Accra ,exilou-se na embaixada de Cuba com ordem de Fidel Castro. Com o golpe de estado, as representações diplomáticas que praticavam uma política favorável a Nkwme Nkruma são obrigadas a abandonar Ghana .Nesta sequência , Hugo foge com a família para o Togo.
Em 1967 Dr Hugo José Azancot parte com esposa para a república popular do Congo - Dolisie onde ambos leccionam no Internato de 4 de Fevereiro e dão apoio aos guerrilheiros das bases em especial á Base Augusto Ngangula ,trabalhando paralelamente para o estado Congolês para poder custear as despesas familhares para que seu esposo tivesse uma disponibilidade total no M.P.L.A sem qualquer remuneração.

Em 1968,Agostinho Neto actual presidente do MPLA convida-o a regressar para o movimento no Congo Brazzaville como médico da segunda região militar: Dirige o SAM e dá assistência médica a todos os militantes que vivem a aquela zona. Acompanha os guerrilheiros nas suas bases ,no interior do território Angolano, onde é alcunhado “ CALA a BOCA” por atravessar essa zona considerada perigosa sempre em silêncio.

Hugo de Menezes colabora na abertura do primeiro estabelecimento de ensino primário e secundário em Dolisie ,onde ele e sua esposa dão aulas.

Saturado dos conflitos internos no MPLA ,aliado a difícil e prolongada vida de sobrevivência ,em 1972 parte para Brazzaville.

Em 1973,descontente com a situação no MPLA e a falta de democraticidade interna ,foi ,com os irmãos Mário e Joaquim Pinto de Andrade , Gentil Viana e outros ,signatários do « Manifesto dos 19», que daria lugar a revolta activa. Neste mesmo ano, participa no congresso de Lusaka pela revolta activa.
Em 1974 entra em Angola ,juntamente com Liceu Vieira Dias e Maria de Céu Carmo Reis ( Depois da chegada a Luanda a saída do aeroporto ,um grupo de pessoas organizadas apedrejou o Hugo de tal forma que foi necessário a intervenção do próprio Liceu Vieira Dias).

Em 1977 é convidado para o cargo de director do hospital Maria Pia onde exerce durante alguns anos .

Na década de 80 exerce o cargo de presidente da junta médica nacional ,dirige e elabora o primeiro simpósio nacional de remédios.

Em 1992 participa na formação do PRD ( partido renovador democrático).
Em 1997-1998 é diagnosticado cancro.

A 11 de Maio de 2000 morre Azancot de Menezes, figura mítica da historia Angolana.

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site