EUA E ISRAEL AJUDARAM LUANDA A CHEGAR ATÉ JONAS SAVIMBI

EUA E ISRAEL AJUDARAM LUANDA A CHEGAR ATÉ JONAS SAVIMBI
O apoio tecnológico dos Estados Unidos e Israel a Angola foi decisivo para a morte, em Fevereiro de 2002, do líder da UNITA, Jonas Savimbi, defende um antigo oficial miliciano português no seu primeiro livro, a apresentar hoje.
Joaquim Morais, autor de "Jonas Savimbi - Angola para todos os angolanos um símbolo uma bandeira e uma pátria", uma edição de autor, rejeita a versão oficial da morte em combate, a 22 de Fevereiro de 2002, de Jonas Savimbi.

"Estou absolutamente convicto, e tive acesso a relatos de pessoas que o acompanharam, que os Estados Unidos, juntamente com israelitas, e utilizando um sofisticado meio de detecção de satélite, conseguiu descobrir a coluna de Savimbi e indicaram às Forças Armadas Angolanas (FAA), no terreno, as coordenadas", sustenta.

A versão oficial situa a morte de Savimbi como corolário de combate entre as FAA e o líder da UNITA, acompanhado de poucos seguidores, profundamente enfraquecidos, após meses de perseguição.

O fim da guerra civil, sequência lógica da morte de Savimbi, trouxe novas perspectivas para Angola.
"Os Estados Unidos como queriam o petróleo e os diamantes, sobretudo o petróleo (de Angola), resolveram tirar o tapete a Jonas Savimbi", frisa Joaquim Morais, que atribui também à deserção de alguns generais (da UNITA) um contributo de relevo na eliminação física do líder da UNITA.

"Eles tiveram uma certa cumplicidade", adiantou.

Joaquim Morais conheceu bem a zona leste de Angola, onde o líder da UNITA foi morto.

Oficial miliciano com uma comissão de serviço em Angola (1969/1971), Joaquim Morais esteve nas duas frentes de combate, Norte e Leste, e recorda-se da colaboração registada entre as tropas coloniais e a UNITA, com o objectivo de neutralizar a guerrilha do MPLA.

"Havia uma certa cumplicidade entre as forças da UNITA e as nossas forças", considera Joaquim Morais, que reconhece terem sido abertos "alguns corredores para passagem" dos efectivos da UNITA.

Aos militares portugueses interessava saber antecipadamente os movimentos dos guerrilheiros do MPLA.

Na província do Moxico, término a leste da linha do caminho-de-ferro que partia de Benguela, foram muitos dos madeireiros que ali laboravam que facilitaram os contactos entre as tropas portuguesas e a UNITA, tendo o próprio Joaquim Morais falado com alguns desses industriais.

"Mas com cuidado, porque a PIDE tinha indivíduos dentro das forças armadas. Podia ser um cabo, podia ser um soldado, podia ser um oficial qualquer", destaca.

Com a abertura dos corredores, os guerrilheiros da UNITA beneficiavam de livre acesso e em troca passavam informações às tropas portuguesas sobre a localização de bases do MPLA bem como os locais junto à fronteira com a Zâmbia por onde pretendiam entrar em Angola.

"Nós já sabíamos que àquela hora e na data tal (os efectivos da UNITA iam passar) (...) porque havia um aviso prévio da UNITA através desses madeireiros ao Comando-Geral, que depois era difundido através dos chamados operadores de 'cripto', para as restantes forças", acrescenta.

"'Atenção! Vocês não se metam' e havia aquela paz", recorda, considerando que a situação agradava a Portugal porque tinha duas vantagens significativas.

"Evitavam-se confrontos e eventuais baixas e eles diziam-nos quais as bases do MPLA e o sítio (da fronteira) onde eles pretendiam entrar. Portanto, funcionavam como informadores do local onde o MPLA pretendia infiltrar-se", contou.

No seu livro, Joaquim Morais recorda que logo no início da sua comissão de serviço em Angola se apercebeu "da realidade e dureza de uma guerra de guerrilha, que nada trazia de novo, somente a destruição, incapacitação, e morte de jovens na flor da idade, que, desembarcavam em companhias e batalhões no porto de Luanda".

A obra é apresentada hoje no Clube Literário do Porto por António da Silva Rocha e Carlos Lopes, este em representação do Delegado da UNITA em Portugal, Isaac Wambembe.


Voltar

23 votes. Moyenne 2.30 sur 5.

Commentaires (1)

1. leonardo joão nicolau 10/10/2011

eu te amo

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site

×