Foi agredido o jornalista Sousa Jamba em Kinshasa

 

Luanda - O Jornalista Sousa Jamba, também colunista do Semanario Angolense, viveu no passado 4 de Julho, na cidade de Kinshasa, República Democrática do Congo, um dos piores dias da sua vida.

De passagem por aquele país, numa viagem que o traria à Angola, Sousa Jamba foi naquele dia visitar a nossa representação diplomática. Pouco depois de sair da embaixada, e em passeio pela cidade, foi interpelado por dois homens que se faziam transportar num carro cinzento e que se apresentaram como polícias. Por solicitação dos homens, o jornalista apresentou os seus documentos em que se incluía o passaporte angolano.

Continuando a responder às interpelações dos alegados agentes da polícia, o jornalista informou que estava hospedado no Hotel Fontana, ao que os seus interlocutores, revestidos de autoridade policial, disseram ser necessário confirmar. Convidaram-no então a entrar no carro para se dirigirem ao Hotel Fontana. Quando o jornalista entrou surgiram do nada outros dois homens que irromperam carro a dentro, encuralando-o no banco de trás.

Naquele momento começaram a chover insultos e os alegados agentes policiais tornaram-se agressivos. «Vais pagar pelo tratamento que os congolenses recebem em Angola», vociferavam. Entre insultos e socos nas costelas, os homens exibiram uma pistola e um par de algemas. A cena desenrolava-se enquanto o automovel circulava pela cidade. Numa zona residencial, entretanto, os supostos polícias tiveram de parar o carro quando um camião lhes bloqueava a passagem, momento aproveitado pelo jornalista para, com muita luta e gritos à mistura, conseguir sair do automóvel. Já na rua, Sousa Jamba apercebeu-se da falta dos seus documentos e do seu telefone. Ainda perseguido, o jornalista conseguiu chegar à embaixada canadiana, tendo-lhe sido negado o acesso, apesar de ter gritado o seu nome, ter dito que estava a ser alvo de uma agressão e de se ter anunciado como jornalista angolano.

Numa residência ao lado, Sousa Jamba foi, no entanto, acolhido, para se aperceber depois, que apesar da nega os canadianos teriam comunicado o ocorrido à embaixada de Angola que de imediato se pôs em Campo. Sousa Jamba foi escoltado até ao Ministério dos Negócios Estrangeiros do Congo por efectivos das forças armadas que o conduziram depois à embaixada angolana, tendo sido atendido pelo senhor Paulo Manuel Camutenha, Segundo Secretário. O próprio jornalista reconhece ter recebido da nossa embaixada um tratamento exemplar. A embaixada ajudou-o a trocar de hotel e do seu regresso aos Estados Unidos da América onde reside. Emanuel Petezi, adido cultural, é igualmente citado pelo jornalista como alguém muito prestável. Como resultado da perda dos seus documentos, e do regresso forçado aos Estados Unidos da América, Jamba fica impossibilitado de participar no congresso da Unita, partido em que milita. Samakuva fica assim sem poder contar com o apoio do escritor e jornalista no terreno. A passagem de Sousa Jamba pelo Congo Democrático na sua viagem à Angola deveu-se ao facto de esta ser uma rota mais económica, além de motivos profissionais.

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site

×