Guerra em Angola está ao dobrar da esquina

Guerra em Angola está ao dobrar da esquina

 

Alguns sectores do MPLA estão interessados, continuam interessados, em que a guerra volte ao país. Se o presidente do MPLA, e da República de Angola, José Eduardo dos Santos, não colocar a casa em ordem será isso mesmo que acontecerá. Temendo, com ou sem razões para isso, o sucesso eleitoral da UNITA, os radicais ligados ao poder já começaram a lançar o pânico. E começaram logo por fazer tiro ao alvo com Isaías Samakuva.

Como muitos jornalistas (alguns deles a trabalhar em Angola) sabem, existem informações de que alguns dos altos quadros da UNITA constam de uma lista de alvos a abater. Até agora o assunto foi mais ou menos abafado, mesmo nos media portugueses. Veja-se como o atentado contra o presidente do Galo Negro passou ao lado de grande parte desses órgãos de suposta informação.

Compreendo a dificuldade dos media públicos de Angola falarem do assunto sem ser, como agora aconteceu, pela óptica oficial. Aliás, não me admiraria que alguns deles chegassem à conclusão de que os tiros contra Samakuva foram disparados por elementos da UNITA… disfarçados de polícias.

Num cenário em que os poucos que têm milhões continuam a ter cada vez mais milhões e em que, no mesmo país, muitos milhões não têm sequer o que comer, não custa a crer que a linguagem das armas volte a ser equacionada.

Não creio que Homens como Paulo Lukamba Gato, Alcides Sakala e muitos, muitos, outros, aceitem trair um povo que neles acreditou e que à UNITA deu o que tinha e o que não tinha. E é esse povo que reclama por justiça e que a vê cada vez mais longe.

Sabendo que muitos deste Homens, que também deram tudo à UNITA, nunca trairão o seu povo, o MPLA opta por os pôr fora de combate. Começou por uma oferta pública de compra que rendeu, reconheça-se, alguns dividendos. Surgiu uma coisa chamada UNITA-Renovada, alguns militares passaram-se para o lado do MPLA e até ajudaram a matar Jonas Savimbi.

Apesar dos milhões envolvidos, a compra não teve êxito total e a UNITA manteve-se coesa e coerente. Vai daí, se não há dinheiro que compre os dirigentes da UNITA opte-se por comprar quem os cale, se possível de forma definitiva.

A UNITA sabe que é assim. Até agora aguentou todos os ataques e humilhações. No entanto, a sua paciência poderá chegar rapidamente ao fim. E quando tal acontecer, o mais certo é voltarem a ouvir-se as metralhadoras.

Voltar

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site