Holden Roberto, líder da FNLA, morreu hoje em Luanda

Holden Roberto, líder da FNLA, morreu hoje em Luanda



O líder histórico da Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA), Holden Roberto, morreu hoje, em Luanda, na sua residência, vítima de doença prolongada, anunciou a organização.


Uma nota divulgada esta noite, em Luanda, pelo Bureau Político da FNLA refere que Álvaro Holden Roberto faleceu às 18:30 locais.

Numa delaração feita através da Rádio Nacional de Angola, o segundo vice-presidente da FNLA, Ngola Kabango, apelou aos militantes e simpatizantes do partido "a manterem-se calmos e serenos perante este infausto acontecimento"

Holden Roberto tinha 84 anos e ainda recentemente se deslocara a Paris para tratamentos.

Nascido a 12 de Janeiro de 1923, iniciou a actividade política em 1954 com a fundação da União dos Povos do Norte de Angola (UPNA), mais tarde designada UPA.

Em 1960, assinou um acordo com o MPLA que não iria cumprir, para assumir sozinho a liderança na luta contra o colonialismo português.

Em 1962 criou a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA), da qual se tornou presidente. Seria esta organização que viria a constituir o Governo Revolucionário de Angola no Exílio (GRAE), onde Jonas Savimbi surge como ministro dos Negócios Estrangeiros.

Em 10 de Outubro de 1974, Holden Roberto encabeçou a delegação da FNLA nas conversações com a delegação do Governo Português, em Kinshasa, com vista a pôr fim às hostilidades em Angola, entre a FNLA e o exército português.

O acordo de suspensão das hostilidades foi assinado no iate do Presidente Mobutu Sese Seko, do Zaire, entre Holden Roberto e o general Fontes Pereira de Melo, chefe da Casa Militar do então Presidente da República Portuguesa, general Francisco da Costa Gomes.

Em Janeiro de 1975, Holden Roberto, juntamente com Agostinho Neto (MPLA) e Jonas Savimbi (UNITA) assinaram com o estado Estado português o Acordo do Alvor, que estipulava o processo e calendário do acesso de Angola à independência, proclamada a 11 de Novembro do mesmo ano.

Depois da independência e com o início da guerra civil em Angola, Holden Roberto deixou o país onde só regressou em 1991, após a assinatura,em Lisboa, a 31 de Maio, do Acordo de Paz de Bicesse.

1 vote. Moyenne 2.00 sur 5.

Commentaires (1)

1. antonio oliveira 17/08/2007

Morreu um troglodita.!
Comparar este "bicho" com grandes nacionalistas africanos em especial com Agostinho Neto é comparar o Diabo com Deus.
Holden Roberto nunca foi um heroi como muitos que lutaram pela independência de Angola, mas sim um carniceiro que mandou executar mulheres e crianças, além de alguns dos seus correlegionários, que lhe faziam sombra.

Ajouter un commentaire

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site