Mais trabalho e menos paleio?

Mais trabalho e menos paleio?

O Presidente de Angola e do MPLA, José Eduardo dos Santos, pediu hoje aos 33 ministros do novo governo, que tomaram posse, "mais trabalho e menos discursos", lembrando-lhes o muito trabalho que o país exige. Será desta? Será que sim, ao fim de 33 anos?

Num discurso sobre as metas do governo que chefia, José Eduardo dos Santos sublinhou o "momento de grande significado político e histórico" que Angola vive hoje, depois de o povo ter "surpreendido" o mundo (que não, obviamente, a máquina do MPLA) nas eleições de 5 de Setembro último pela forma "maciça, ordeira e responsável" como votou "no partido da sua preferência".

Apesar de o MPLA, que detém agora uma maioria qualificada no parlamento, com 191 deputados em 220 possíveis, ter já tornado público que a revisão da Constituição é uma prioridade, o Presidente angolano não tocou hoje nessa questão.

Mas Eduardo dos Santos apontou claramente como questões essenciais o objectivo de combater a fome (ao fim de 33 anos de poder do MPLA ainda há 68% de angolanos que passam fome) e a pobreza e a construção de um milhão de casas nesta legislatura, referindo a primeira como "prioridade de primeira linha" e, quanto à segunda, definiu-a como "objectivo ambicioso", pelo o melhor é começar a trabalhar, "quanto mais cedo melhor".

Lembrou que os angolanos exprimiram nas urnas "o que querem" ao escolherem o programa do MPLA, agradeceu aos anteriores membros do executivo, sublinhou que o Governo de Unidade e Reconciliação Nacional (GURN) terminou e apontou como referência a "grande expectativa dos angolanos e da comunidade internacional" que recai sobre o novo elenco governamental de Luanda.

No imediato, Eduardo dos Santos colocou como prioridade para o novo governo a preparação do Plano Nacional e o Orçamento Geral do Estado, que deverá ser remetido à Assembleia Nacional até 31 de Outubro, para começar a ser executado a 1 de Janeiro de 2009. Nada de novo. Uma cópia de princípios e ideias já velhas.

"Deverá ser criado desde já um clima propício para essa implementação, através de acções que sirvam para consolidar a paz, manter a estabilidade política e reforçar a democracia", disse Eduardo dos Santos.

Colocou ainda na primeira linha das prioridades do executivo a estabilidade macro-económica e a criação de condições para assegurar um crescimento económico sustentado, "com uma percentagem de dois dígitos em relação ao PIB" (Produto Interno Bruto), sendo esta a "ambição que deve mover o governo". E viva o petróleo.

A saúde, a educação e as reformas da Administração Pública Central e Local, da Justiça e do Direito, bem como do "sistema de Defesa e Segurança" do país, foram ainda metas apontadas pelo Presidente angolano aos 33 ministros que, dizem, vão fazer em quatro anos muito do que não fizeram nos últimos 33 anos.

Entretanto, o primeiro-ministro também usou da palavra para terminar a cerimónia mas, seguindo já as orientações do Presidente da República e chefe de governo, que disse ser a sua prioridade, Paulo Kassoma foi breve, tal como Eduardo dos Santos recomendara: "Mais trabalho e menos discursos".

Cá estamos, sentados, à espera das obras.

Por Orlando Castro

 

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site

×