"Queriamos uma vitória que marcasse a diferença

"Queriamos uma vitória que marcasse a diferença" diz Samakuva à VOA: 

 

Luanda - Há pouco mais de uma semana, colocados perante o presidente cessante Isaías Samakuva , e o deputado Abel Chivukuvuku , os delegados ao 10º congresso da UNITA escolheram o primeiro, numa proporção desnivelada.

Porém e conquanto remeta para os delegados as razões para tão desequilibrado escrutínio, Isaías Samakuva diz que no fundo no fundo, não havia grandes diferenças entre ele, e o deputado.

VOA- A sua reeleição era uma coisa perfeitamente admissível. Já não posso dizer o mesmo em relação a diferença de votos que o separou de Abel Chivukuvuku, sobretudo se levarmos em conta o facto de haver dois contendores e de ambos pelos vistos irem ao congresso bem acompanhados.

IS- Quando nos preparamos para uma eleição temos que ter em conta dois cenários: de vitória ou de derrota. O que eu fiz foi trabalhar para uma percentagem que marcasse claramente a diferença, e felizmente foi este o resultado. Só lhe posso dizer que era isto que procurávamos.


VOA- Então o que lhe diz uma vitória expressiva como esta?


IS- Eu não posso interpretá-la como sendo uma vitória pessoal. Representou sobretudo, a maturidade dos militantes da UNITA, que exerceram um direito democrático, que é um direito de todos no partido, mas que deveria ser também um direito de todos os cidadãos do país. Por conseguinte é uma vitória de todos os membros da UNITA, e é assim que ela será gerida.


VOA- Por certo que leu a coluna de João Melo na edição de segunda-feira do Jornal de Angola, onde a determinado ponto ele diz que a UNITA quer continuar a ser um partido rural, sendo que a sua vitória representa um paradoxo entre o que o senhor foi, e para onde leva a UNITA...


IS- Eu também li este artigo. A vitória no congresso representou a necessidade que a UNITA tem de continuar a explicar que os princípios , os valores e as posições fundamentais que ela defende são modernos e actuais. Quando fomos para o congresso com um lema que defendia a reafirmação da nossa identidade política estávamos apenas a defender exactamente a modernidade..a liberdade, a democracia assegurada pelo voto do povo através de vários partidos políticos; estávamos a falar da soberania expressa na vontade do povo, primando sempre os interesses dos angolanos da igualdade entre nós, e do princípio segundo o qual na busca de soluções económicas devemos priorizar os angolanos para beneficiarmos toda a sociedade. Como vê, estes principio são completamente actuais.

VOA- Quer dizer que não se revê no artigo de João Melo?


IS- De forma nenhuma. E eu logo que tenha tempo vou procurar o deputado João Melo, que é uma pessoa que eu prezo muito. Muitas vezes quando falamos nos princípios da UNITA há tendência de se pensar que estamos a ir para trás, e que somos retrógrados. Os valores da UNITA são aqueles que visam a preservação da justiça, da solidariedade social, dos direitos do homem e da democracia. Eu dizia durante a campanha que parecia que havia pessoas na UNITA que estavam a pôr de parte estes princípios. A solidariedade entre nós já não é a mesma como aquela que conhecemos em tempos passados. O espírito de justiça também parece não ser o mesmo. Parece até que as pessoas já não queriam gerir-se por este princípio. Nos gostaríamos de ver se os delegados estavam de acordo com a reafirmação da validade destes princípios, porque na verdade são eles que fazem a identidade da UNITA.

VOA-O senhor e o deputado Abel Chivukuvuku chegaram ao congresso com mensagens diferentes. O que lhe pareceu que terá levado Abel Chivukuvuku a perder a eleição como perdeu?

IS- Não encontrei nenhuma diferença nas mensagens que levámos ao congresso. A diferença que encontrei em tudo que foram os nossos pronunciamentos estava no dinamismo que o meu colega prometia. Ele dizia que o nosso mandato era dominado por um imobilismo pelo que era necessário impor dinamismo, mas em termos de programa não vi diferença nenhuma, o que também me agradou pois afinal não estamos em diapasões diferentes. Acreditamos todos nos princípios e nos valores que a UNITA acredita desde a sua fundação.

VOA- O que terá levado então a grande maioria dos delegados a correrem para o seu lado ao invés de acompanharem Abel Chivukuvuku.

IS- Só os delegados o podem responder a esta pergunta.

VOA- Como é que o senhor vai preparar a UNITA...Vai fazê-lo acreditando na realização de eleições no próximo ano?

IS- Definitivamente! A realização de eleições é importante, e prioritária. A UNITA terá de se juntar às forças políticas e não só, que buscam a realização de eleições num curto espaço de tempo. Elas estão previstas para o próximo ano, e tudo que vamos fazer é trabalhar no sentido de fazer cumprir este prazo. As legislativas serão aquelas que vão determinar a nossa estratégia e os nossos programas de acção , e todo o nosso esforço vai no sentido de fazer com o que nosso partido venha a ter resultados positivos nas eleições.

VOA- O senhor há 4 anos criou um modelo e uma equipa, voltou a ganhar as eleições, pelo que é suposto que venha a criar outra equipa..como será desta vez? Haverá caça às bruxas..?


IS- Nunca fizemos caça às bruxas.
Se se recorda em 2003 a primeira coisa que fizemos foi convidar colegas que estavam envolvidos com a candidatura oposta para trabalharem connosco. Trata-se de um partido onde os quadros são sempre os mesmos... e estamos agora a trabalhar no sentido de recrutar novos quadros, mas os antigos estão ai, muitos deles com muita imaginação, energia e experiência, de maneira que não podemos pô-los simplesmente de parte. Haverá rotação, teremos algumas caras novas, caras antigas, mas caça às bruxas não haverá de certeza. Seja como for, com a nova equipa iremos nos preparar para os desafios que se seguem.

VOA- Quando pensa que o novo secretariado estará constituído?


IS - Creio que em meados da próxima semana a nova equipa esteja constituída.

VOA- A última a vez que falou com o presidente da república a dois foi em setembro, e foi também o encontro que precedeu a controvérsia sobre um acordo entre vocês e sobre a controvérsia à do salazarismo..
O senhor tem em vista algum encontro com o presidente José Eduardo dos Santos?

IS- Para mim o diálogo entre dirigentes da UNITA, com dirigentes do MPLA e do governo a todos os níveis é importante. Não podemos descartar por e simplesmente a possibilidade de haver estes encontros. Há situações que ainda precisamos debater, e avaliar para ver como nos conduzimos em relação aos objectivos nacionais. Tomo como positivo que falemos e troquemos impressões sobre questões que podem determinar os destinos do nosso país.

*Luís Costa
Fonte: VOA

 

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site