Mil pretos correspondem a um palestiniano?

A epidemia de cólera no Zimbabué fez mais de 2.500 mortos desde Agosto. Em Angola muita, mesmo muita, gente continua a ser gerada com fome, nasce com fome e morre pouco depois de fome. Mas o que é que isso agora importa? As atenções mundiais estão concentradas noutros palcos.


Sapatos contra Bush, gigantesca missa em Madrid, invasão da Faixa de Gaza, colisão entre o Paquistão e a Índia ou, dentro de dias, a tomada de posse no novo presidente norte-americano, Barack Obama, fazem com que África “desapareça” do mapa.

É claro que os africanos podem desaparecer, mas as riquezas naturais continuam lá à disposição dos donos do mundo. É a civilização ocidental no seu melhor.

É certo que a situação na República Democrática do Congo continua a ferro e fogo, tal como continua perigosamente instável a vida na Guiné-Conacri, na Somália, no Sudão...

Mas o que são 2.500 mortos de cólera no Zimbabué comprados com os 500 palestinianos mortos pelos bombardeamentos israelitas à Faixa de Gaza, ou os três ou quatro israelitas mortos pelos ataques do Hamas?

Mas o que são os eventuais 60.000 potenciais casos de cólera no Zimbabué comparados com os perto de 200 mortos nos ataques a Bombaim?

E o que são os milhões de pessoas que em toda a África morrem de fome, de doença ou pelos efeitos da guerra, comparados com uma missa que concentrou, em Madrid, um milhão de pessoas?

É claro que o importante é mostrar ao mundo que a aviação israelita tornou em escombros grande quantidade de prédios em Gaza. Reconheço que tal não acontece em África. Em zonas onde há milhões de pessoas que vivem em cubatas é difícil, calculo eu, ter imagens de prédios destruídos.

Além disso, o que interessa não são os africanos mas, antes , o petróleo e outros produto vitais para o Ocidente. E se até Sarah Palin não tinha a noção do que era essa coisa chamada África, é bem natural que as ruas das principais cidades mundiais se encham de cidadãos de primeira preocupados com outros cidadãos quase de primeira, os palestinianos, e não com essa espécie menor a que chamam pretos.

E assim se faz a história onde as prioridades, entre outras justificações, são feitas pela cor da pele. Racismo? Não. Nem pensar. Apenas uma realidade indesmentível: uns são pretos, outros não!

Governo de Sua Excelência José Sócrates

O Governo português, num comunicado divulgado esta tarde pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, fez um apelo à contenção das partes em conflito e condenou os massacres "a grande escala" cometidos na RD do Congo pelos rebeldes ugandeses do Exército de Resistência do Senhor (LRA), e que já fizeram centenas de mortos na região do Alto Uelé.


Num comunicado distribuído à imprensa, O Governo português apela ao LRA para cessar "imediatamente" a violência contra populações inocentes, e declara acompanhar a situação de perto, exortando ao mesmo tempo o grupo rebelde ugandês a assinar os actos definitivos do Acordo de Juba e a conformar-se ao mesmo.

O chefe rebelde ugandês, Joseph Kony, recusa-se a assinar o acordo de paz rubricado em Abril passado pelo Governo do Uganda, para concluir o processo de paz iniciado em Julho de 2006 visando pôr termo a 20 anos de guerra civil no norte deste país.

Estimando que os actos criminosos do LRA ameaçam a estabilidade em toda a região, incluindo o Sul do Sudão e a República Centro-africana, o governo português insta todas as partes envolvidas a impedir o movimento rebelde ugandês a prosseguir a sua acção, a tudo fazer para proteger as populações civis e a velar por que os direitos humanos e as regras humanitárias internacionais sejam respeitados.

As autoridades locais congolesas apontam para pelo menos 400 civis congoleses mortos pelos rebeldes do LRA entre Natal e dia do Ano Novo, em operações de vingança, depois de ter sofrido pesadas baixas durante ataques militares conjuntos dos Exércitos da RD do Congo (FARDC), do Uganda e do Sul do Sudão contra os rebeldes ugandeses.

Adenda: O que Portugal fez hoje foi, de facto, um apelo à contenção das partes em conflito na Faixa de Gaza. Enquanto isso, no Ministério dos Negócios Estrangeiros de Lisboa continuam à procura não só de saber onde fica a RD do Congo como, ainda, se quem lá vive são cidadãos de primeira, de segunda ou de qualquer outra espécie.

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site