Entrevista inédita de Jonas Savimbi

Entrevista inédita de Jonas Savimbi
 
 
“Quando eu falava com Agostinho Neto
o JES ainda era pequeno"
Luanda - Por ocasião da data que hoje completaria 73 anos de idade,publicamos extratos de entrevistas de Jonas Savimbi a jornais em que explica da sua ruptura com Holden Roberto, da sua “passagem” pelo MPLA, da sua fortuna e justifica-se sobre alegados documentos que indicava orquestração de um “golpe Estado” contra o Governo/MPLA em 92.

JBF - Porque é que saiu da FNLA?
JS - Saímos em 1964 por duas razões fundamentais. Em primeiro lugar, porque Holden Roberto achava que os dirigentes da Frente deviam estar no estrangeiro e nós pensávamos que o seu lugar era no interior de Angola, em contacto com o povo e com as realidades.

JBF - Onde é que estava Holden Roberto?
JS - Em Kinshasa, sempre em Kinshasa. A segunda razão tinha que ver com a própria guerra. Nós pensávamos que só aqui poderíamos compreender a dinâmica político-militar, de modo a estender a guerra para além do cantinho onde ela estava confinada, no Norte. Também nos parecia indispensável que os quadros militares tivessem uma preparação adequada, mas o presidente Holden Roberto não os autorizava a partir para a Tunísia ou para a Argélia, onde podiam formar-se.

JBF - E os quadros civis?
JS - Também eram obrigados a ficar. Nós discordávamos desta atitude, porque o nosso enriquecimento cultural podia contribuir para a formulação de análises que ajudassem a direcção a melhor dirigir. Um dos que quis partir e não pôde foi aqui o secretário-geral, Miguel N’Zau Puna.

JBF - A sua presença não seria indispensável no terreno?
JS - Mais indispensável era a formação inte¬lectual que lhe permitiria uma tomada de consciência sólida. A UPA (União dos Povos de Angola) e a guerra tinham começado em 1961, com entusiasmo e com resultados posi¬tivos, mas todos os anos ia baixando um pouco por causa da reacção das forças arma¬das portuguesas. O resultado da nossa ignorância é que não estávamos em posição de poder corrigir os nossos próprios erros, nem de explorar os erros cometidos pelo adver¬sário.

JBF - Então as divergências eram mais de ordem estratégica do que ideológica?
JS - O diferendo ideológico só surgiu mais tarde, e entre nós e o Agostinho Neto, pelo menos de uma forma assumida e consciente, embora também em relação à FNLA nós não concordássemos que as relações da Frente fossem estabelecidas exclusivamente com o Ocidente. A China propôs formar os homens da FNLA e quis mesmo reconhecer o GRAE (Governo Revolucionário Angolano no Exí¬lio), à semelhança do que já tinha feito o Egipto de Nasser. Holden Roberto e a di¬recção fugiram sempre dessas propostas à esquerda, para se acantonarem na zona que hoje convencionalmente se classifica de moderada.

JBF - A FNLA estava no Zaire e o Zaire era um país moderado.
JS - Isso não nos devia impedir de diversi¬ficar as nossas relações. Não se tratava de substituir um grupo de aliados por um outro grupo. Tratava-se, sim, de equilibrar as dependências, por forma a podermos ficar, exactamente, numa posição mais independente.

JBF - Nenhuma das suas propostas foi aceite?
JS - Nenhuma. Por isso saímos.

JBF - Quem?
JS - Dos homens dessa época estão aqui presentes o secretário-geral, na altura refugiado na Tunísia, e o engenheiro Mulato, que se encontrava nos Estados Unidos.

“Jeune Afrique”, Agosto de 1984

JA: O senhor doutor inscreve-se então em Ciências Políticas e adere à UPA (União dos Povos de Angola) de Holden Roberto. Como explica que os seus contactos em Portugal não o tivessem orientado para o MPLA?
JS: É muito simples. O MPLA, na altura, tinha uma estrutura ultra-clandestina de que eu ignorava a existência. Eu militava com Neto, mas eu não sabia que ele era membro de um movimento organizado. Só quando cheguei à Suíça nos fins de 1959, me apercebi, ao ler um panfleto, da existência do MPLA. Escrevi de imediato para Conakry, onde se encontravam Lúcio Lara, Viriato da Cruz e a maior parte dos dirigentes deste movimento. Pedi-lhes informações sobre o seu programa e, se o achassem útil, que me enviassem alguém para me contactar. Passado um ano, não obtive mais do que meias respostas e ninguém me veio ver.
Em contrapartida, Holden Roberto, a quem tinha também escrito, veio ao meu encontro em Lausanne. Tivemos uma discussão de 3 horas. Eu apercebi-me de que ele não tinha nenhum programa. Abstive-me, pois, de responder. Foi então que, no início de 1960, fui mandatado pela União Geral dos Estudantes Angolanos, organismo próximo do MPLA e dirigido na época opor Luís de Almeida, actual embaixador de Luanda em Paris, para representá-la na Conferência dos estudantes Africanos em Kampala. Encontrei ali TOM M’BOYA, que me levou para Nairobi e apresentou-me a JOMO KENYATTA. O “MZEE” estava em residência vigiada. Encontrar o homem que acabava de escrever o livro intitulado “Ao pé do Monte Kenya” era para mim um acontecimento de importância determinante. “Não vá para o MPLA” disse-me ele – “são comunistas”. “Ingresse antes na UPA e faça tudo para lhe proporcionar um programa. Eis aqui papel: escreve a Roberto”. Foi assim que aderi ao que ia tornar-se em FNLA.

JA: Logo, o senhor doutor seguiu para Leopoldville, a futura Kinshasa, onde Holden Roberto tinha o seu Quartel General.
JS: Em Setembro de 1960, três meses depois da independência do Congo, Roberto nomeou-me Secretário Geral, Esta nomeação não era séria e, primeiro, eu recusei. Holden insistiu. Acabei por aceitar, exigindo poder voltar a Lausanne, para aí defender a minha tese de licenciatura sobre Yalta e a Descolonização.

JA: Imediatamente após começaram a surgir problemas entre o doutor e Holden Roberto. Será que o Sr. Dr. Queria tomar o lugar dele?
JS: Precisamente o contrário. Até porque quando alguns elementos, descontentes da desorganização e do etnocentrismo da FNLA quiseram fazer um golpe de estado contra Roberto, opus-me determinantemente. Bem vistas as coisas, seria um suicídio, porque Roberto beneficiava do apoio das autoridades de Leopoldville. E nós teríamos feito o jogo dos Portugueses. Eu preferi, pois, deixar o movimento e fundar uma outra organização. Em Abril de 1964, voltei para a Suíça.

JA: Esta ruptura foi consumada aquando da Cimeira da OUA, no Cairo, três meses mais tarde.
JS: Efectivamente. Em Julho de 1964, fui ao Cairo para explicar a minha posição aos Chefes de Estado do Continente. Esta minha tomada de posição caiu muito mal a Roberto. Contudo, NASSER, NKRUMAH, SEKOU TOURÉ, BEN BELLA e outros Chefes de Estado apoiaram-me e encorajaram-me a prosseguir com a minha iniciativa. Eles estavam desiludidos com a ineficiência do MPLA e hostis ao carácter reaccionário da FNLA. SEKOU TOURÉ disse-me: “Holden é um agente da CIA”. NASSER fez difundir na rádio a minha carta de demissão. Aliás, NASSER apoiou-me até à sua morte, em 1970, com uma fidelidade exemplar.

JA: Em Setembro de 1964, o Sr. Dr. Foi à União Soviética e aos países socialistas europeus, o que é que lá foi procurar?
JS: Fiz essa digressão a conselho de NASSER. Foi ele que encetou os contactos para as minhas visitas a Moscovo, Berlim, Praga, Budapeste e Varsóvia. NASSER sustentava que, sem o apoio duma grande potência progressista como a URSS, eu nunca poderia levar a cabo um combate verdadeiramente revolucionário. Os Soviéticos disseram-me: “Junta-te ao MPLA e serás o Vice-Presidente”. Eu respondi que esta medida não serviria para nada enquanto este movimento persistisse em permanecer no exterior de Angola. Era preciso deixar Brazzaville para a mata. Os meus interlocutores responderam-me que tal não era a sua concepção da luta e ficámos por aí. Regressei, pois, ao Cairo, com as mãos vazias. Logo, até 1966, por intermédio de NASSER, eu mantive contactos com os soviéticos.

JA: Qual era, nessa época, a sua posição em relação a Castro e à Revolução Cubana?
JS: Eu admirava-a muito. Possuía gravações dos discursos de Fidel e a sua experiência revolucionária fascinava-me. Mas eu conhecia melhor o Comandante Ernesto GUEVARA. Encontrei-o em Fevereiro de 1965, num avião que nos levava de Dar-Es-Salaam à Argélia, onde devia realizar-se um Seminário Económico Afro-Asiático. O CHE vinha de Brazzaville; ele tinha encontrado ali os dirigentes do MPLA e afirmava estar decepcionado com a sua burocracia, o seu pequeno campo de treino de Dolosie. O CHE tinha instado junto dos homens do MPLA para visitar as suas zonas libertadas e tinha-se-lhe respondido que era impossível, por razões de segurança. Ele tinha redigido para Castro um relatório desfavorável ao MPLA e tinha-me confiado que, se eu entrasse realmente no interior de Angola para ali instalar o “maquis”, Cuba estaria do meu lado. Mas pouco tempo depois do seu regresso a Havana, o CHE desaparecia para ir combater de novo. O seu relatório não teve seguimento.

JA: No início de 1965, o Sr. Dr. Foi à China. Foi por sua própria iniciativa?
JS: Sim e não. Eu fui de novo ter com NASSER: “os soviéticos não nos ajudam, Cuba hesita: o que é preciso fazer?”. Ele disse-me: “Podes escolher entre SUKARNO e MAO, mas eu aconselho o segundo porque os Chineses têm uma experiência de guerra de guerrilha superior à da Indonésia”. Dirigi-me assim a Pequim, onde fui bem recebido. Contrariamente aos Soviéticos, os Chineses deixaram-me expôr as minhas ideias, corrigiram-me algumas e depois disseram-me o seguinte: “Nós poderíamos dar-lhe dinheiro, mas o senhor iria gastá-lo. Vá, antes, procurar uma dezena de companheiros seus e regresse aqui, para serem submetidos a um treino militar e, tanto para nós como para vós, será melhor investimento”. Eu penso que eles queriam também testar a minha seriedade. Os Chineses deram-me 30 mil dólares e eu fui a Brazzaville, Lusaka e Dar-Es-Salaam, para ali persuadir 11 dos meus compatriotas a acompanharem-me à Academia Militar de Nanquim. Nós permanecemos ali 4 meses, de Abril a Julho de 1965.

JA: Quem era o vosso principal interlocutor Chinês?
JS: CHU-EN-LAI, que na altura era Primeiro-Ministro. Ele ocupava-se da ajuda aos Movimentos de Libertação. Encontrei MAO uma única vez em 1967. Eu tinha acabado de assentar as bases para a Luta Armada. Ele fez-me uma pergunta acerca do encaminhamento até ao “maquis” das armas que a China facultava. Respondi-lhe que tinha o acordo dos Presidentes NYERERE e KAUNDA para que esse material transitasse pela Tanzânia e Zâmbia. Ele disse-me então num tom sibilino: “A Revolução Africana é jovem, e frágil; é muito possível que, por vezes, as nossas remessas de armas nunca vos atinjam e que um desses Chefes de Estado se apodere do material. Não fiqueis desencorajados. Sede pacientes”.


JA: Falemos da sua fortuna. Qual é o montante dela?
JS: Eu não tenho nada, absolutamente nada. Eu nunca tive uma conta no banco na minha vida. Eu não possuo nenhuma vivenda no estrangeiro. Ninguém aqui possui o que quer que seja.

JA: Apesar disso, os amigos, Estados, dão-vos dinheiro. O que fazem dele?
JS: Tudo vai para os cofres do Movimento, que são geridos por um intendente. Nunca me ocupei destas histórias. Nós temos, em Londres uma conta no Banco, que serve para prover às despesas dos nossos representantes no Exterior, assim como para comprar armas no mercado internacional. Nós exigimos facturas precisas de todas as despesas. Mas os nossos homens no Exterior, são gente honesta, e todos combateram nas matas. Muitas vezes temos de lhes explicar que lá, na Europa, já não é como na mata; devem comparar dois fatos. Para alguns, como nós estamos em contacto com os sul-africanos e recebemos dinheiro dos países árabes do Golfo, nós deveríamos ter fortunas pessoais. É falso. Tudo vai para o Movimento.

JA: Nada de corrupção, nenhuns desvios?
JS: Não, não e não! Não posso ficar escandalizado pelo tráfico de diamantes do MPLA e pelas práticas de certos Chefes de Estado Africanos que se fazem erguer estátuas, esquecendo que elas serão demolidas no dia seguinte, e ser eu próprio corrupto. Além disso, o dinheiro não circula aqui e ninguém recebe o menor salário.

JA: Tem uma vida familiar?
JS: A minha mulher morreu na Jamba, atingida por um raio. Resta-me a minha Mãe, a minha irmã e cinco crianças.

JA: Onde é que elas estudam?
JS: Aqui em Angola. Nas escolas da UNITA, nas matas. O MPLA não pode afirmar o mesmo.

Ao Jornal “A Capital” de Julho de 1989



- Dr. Savimbi, pessoalmente como é que se sentiu quando apertou a mão a José Eduardo dos Santos?
- Eu não o conhecia pessoalmente. Quando falava com Agostinho Neto o José Eduardo dos Santos ainda era pequeno e necessariamente não participava nas nossas reuniões. Portanto, foi a primeira vez que o vi, apertei-lhe a mão e o sentimento que houve o de conhecer um compatriota que teve coragem e que eu espero que continue a manifestar essa coragem. Devo dizer que ultimamente estou a discordar um bocado das suas afirmações. Ele disse há dias que Gbadolite tinha sido uma precipitação e que era necessário diminuir o ritmo das negociações. Com depoimentos destes eu não fico assim muito satisfeito, pois isto equivale a dizer-se que a guerra devia continuar ainda mais um tempo. Ora eu considero que o povo angolano já sofreu o suficiente nestes catorze anos e tudo o que seja acelerar o processo de paz tem de ser feito. Agora que já há os princípios de Gbadolite, temos que avançar sem perder tempo. Portanto, eu não posso aceitar que se diga que agora devíamos diminuir a velocidade do processo de paz, porque isso permite que a guerra continue.

- Acha que o plano de paz está neste momento em risco?
- Pela minha parte, não. Da parte do MPLA, francamente não sei. O que posso dizer é que quem quer que tenha a responsabilidade de pôr em risco o plano de Gbadolite, corre também o risco de ter toda a população de Angola contra si. Eu não vou correr esse risco.

- O embaixador Rui Mingas sugeriu também na sua conferência de imprensa que a UNITA acabaria por se dissolver no MPLA. O que é que acha deste conceito?
- Olhe, depoimentos desse género não ajudam nada à situação. Nós estamos a falar da reconciliação nacional e eles põem-se a falar no aniquilamento da UNITA! Nós queremos acabar com a guerra, eles falam em liquidar oponentes! Eu só acho é que isto está a criar uma onda de simpatia pela UNITA. Esses depoimentos são francamente irresponsáveis, mas não me admiro que o Rui Mingas os faça. Ele nunca esteve na mata e não sabe de facto o que é que esta guerra tem sido. Uma coisa é certa, ele não consegue passar essa mensagem de guerra às próprias forças do MPLA. As FAPLA querem a paz. Essa história de liquidar a UNITA era uma palavra de ordem do MPLA desde 1976. Não o conseguiram fazer. Agora o que têm a fazer é falar com a UNITA e negociar a reconciliação e o fim da guerra.

- O embaixador Rui Mingas disse também que não haveria eleições em Angola porque a constituição da RPA não previa esse sistema.
- Olhe, quem é que diria que ia haver eleições na Polónia! Eu digo que vai haver eleições em Angola. O monopólio já não é só do MPLA. Há toda uma dinâmica que ultrapassa de muita longe o MPLA. O povo de Angola quer eleições e vai ter eleições.

Diario de noticias



DN - Para terminar, sente-se já na pele de Presidente de Angola?
JS - Não. Sinto-me como angolano que tem um papel a desempenhar para que a paz seja realmente efectiva.

DN - Mas gostaria de vir a ser o Presidente de Angola?
JS - Não. Eu penso que todo o indivíduo que quiser ser Presidente de Angola, tenha um partido estruturado, tenha seguidores, tenha coragem de advogar eleições e vá para as eleições e depois das eleições poderá sentir-se na pele de Presidente ou não.

A Radio TFS Dezembro de 1992



SIC - Dr. Savimbi: não autorizou o ataque ao Uíge?
J.S. - Não! Não autorizei, nem nunca iria autorizar!

SIC - Mas havia um plano?
J.S. - Não havia plano nenhum! Absolutamente! … Mas, depois, quando há a tomada do Uíge, a tomada ¬do Negage, fico surpreendido. O que é que se passou? Na¬quela altura, a minha impressão era que tinha sido uma ac¬ção de rebelião contra uma ordem minha! Hoje, já não! Mandámos uma delegação nossa dirigida paio general Chilingutila, da parte da UNAVEM foram seis oficiais. Temos um documento escrito. Esclarece que, afinal, localmente, no Uíge e no Negage, houve fricções entre a UNITA e o MPLA. Não foi a tropa do general Numa a tomar o Uíge ou a tomar Negage. Afinal fora a guarnição que lá estava a garantir a segurança dos comités, dos dirigentes, localmente e em resultado dessas fricções, que houve entre a UNITA e o MPLA.

SIC - A UNITA está destroçada, está partida, o que é que acontece à UNITA?
J.S. - Isso é o que as pessoas pensam. O partido sobre¬vive e eu penso que, no próximo ano, teremos boas notí¬cias.

SIC - …sobre os militares?
J.S. - …a guerra não se inventa, faz-se. É uma ciência. Portanto, quando saem de Luanda a fugir, muitos perde¬ram-se, outros morreram. Agora é preciso, outra vez, construir um comando unificado, sem guerra. Senão, é a guerra. Mas é preciso, mesmo dentro do próprio partido, tirarmos lições. Prepara-se o povo para as eleições, ou para outra, faz-se a guerra dezassete anos para haver democracia, pa¬ra haver liberdade, organiza-se o povo para participar, gas¬tam-se milhões de dólares para o efeito, chega-se ao fim não se tem o resultado que se desejava. O que é que faz um partido? Em Portugal, ou na Inglaterra, ou na América? É reunir um Congresso…

TSF - Quando é que vai reunir esse Congresso?
J.S. - Mas o governo não quer! Eu pedi…

TSF - O que é que o governo tem a ver com isso?
J.S. - O governo tem de autorizar, senão a polícia vem, nós estamos numa reunião, e manda dispersar o nosso en¬contro.


SIC – Teve conhecimento dos documentos que foram apresentados pelo governo, de que o governo fala, da tentativa de tomada do poder pela UNITA? Esses documentos são verdadeiros ou não?
J.S. - Vi algumas coisas. Algumas letras que eu conheço, deu para saber que esta é do Chivukuvuku…

SIC - Onde ele diz que «a UNITA deve tomar os municípios» …
J.S. - Não é verdade que o Chivukuvuku, que era o Secretário para os Negócios Estrangeiros, vá organizar o plano de «golpe de estado»! Não é verdade! No mínimo, devia ser o chefe do Estado-Maior! Mas, nem ele. Se fosse, en¬tão, deveria ser a Direcção toda a comprometer-se com um acto tão grave como este. Portanto, não seria o Chivukuvuku, dos Negócios Estrangeiros. Ele está a exprimir as suas opiniões, nas circunstâncias em que ele escreveu essa car¬ta, mas é para se exercer pressão sobre o governo, para se negociar. Ele não dizia no fim, em parte nenhuma, «depois, tomamos conta do poder pela força», não está dito…

SIC - Quando o Vice-Presidente Chitunda fala em fogo sobre a capital, isso quer dizer o quê?
J.S. - Ele não disse isso!

SIC - Está aí escrito… Não é a letra dele?
J.S. - Até se havia um homem mais moderado, no Parti¬do, era o próprio Chitunda! Há alguém, neste mundo, que possa identificar o Chitunda com um «golpe de estado?». As pessoas que o conheceram, o negociador…

TSF - Pode identificar essa letra?

SIC - É verdadeira, ou não?
J.S. - … até também, para vos dizer uma coisa. Di¬zem que o plano do Chivukuvuku era tomar os municípios, as províncias e depois, então, o golpe de estado na capital. Aqui, o outro, diz o seguinte: «só o fogo na capital é que abala o inimigo, não nas províncias». Quer dizer, os dois negociadores já não estão de acordo, significa que isso nunca foi discutido, nem acordado! São opiniões! São opi¬niões de cada um!

SIC - Mas as resoluções são tomadas com base em opiniões…
J.S. - …as opiniões só podem ser resolução se, depois de um debate, nós chegarmos a um acordo. O que eu pen¬so, e o que pensa o general Bem, não é a mesma coisa! Pensamos coisas diferentes e vamos para a reunião com ideias diferentes. E, quando sairmos da reunião, se as ideias diferentes dos dirigentes constituírem um ponto co¬mum, então, já é uma resolução do Partido.


TSF - Se o Senhor tivesse ganho as eleições, co¬mo sonhou toda a vida, que ganharia quando elas se realizassem?
J.S. - Vou ganhar! Vou ganhá-las um dia…

SIC - Então aceita a derrota?
J.S. - O que posso fazer mais? Vou lutar contra a ONU, vou lutar contra toda a gente? Então seria, completamente, da minha parte, viver da ilusão! Desta não foi? Não faz mal! Quantas derrotas já tive na minha vida e quantas vezes consegui recuperar?

77 votes. Moyenne 3.45 sur 5.

Commentaires (2)

1. audazcoimbra 22/04/2012

an

2. audazcoimbra (site web) 22/04/2012

angola

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site

×