NA "PERESTROIKA" O KREMLIN HESITOU EM QUEM APOSTAR EM LUANDA

NA "PERESTROIKA" O KREMLIN HESITOU EM QUEM APOSTAR EM LUANDA    
 

Russia - Em plena "perestroika", o Kremlin chegou a hesitar se apostava em Eduardo do Santos ou em Savimbi, muito por causa do efeito que o líder da UNITA provocou em Eduard Chevarnadzé, ministro dos Negócios Estrangeiros da União Soviética. 

Mas se Jonas Savimbi conquistou a simpatia pessoal de Eduard Chevarnadzé, ministro dos Negócios Estrangeiros da União Soviética, a verdade é que nunca deixou de ser um dos homens mais procurados pelos serviços soviéticos e, depois, russos.

Em 1988, Savimbi encontrou-se com Chevarnadzé no edifício das Nações Unidas em Nova Iorque e, a seguir, o chefe da diplomacia soviética reconheceu a um dos seus assessores: "Recordo o encontro com Savimbi, dirigente da oposição angolana. A propaganda, recorrendo a palavras suaves, não o elogiava e eu aceitei, com algum receio, conversar com ele.Constatei que era um homem muito culto, médico, inteligente.

Então, conversámos muito bem e chegámos a acordo sobre muita coisa"..Vladimir Kazimirov, então embaixador soviético em Luanda, comentou, em declarações à Lusa, estas palavras de Chevanadzé: "Depois do encontro de Chevarnadzé com Savimbi em Nova Iorque, em Moscovo Image quase surgiram hesitações: em quem apostar em Angola?

A nossa embaixada defendia a aposta em dos Santos a despeito da moda de então e no ponto mais alto do poder dos "democratas" de toda a espécie. Os assessores de Chevarnadzé e até a nossa imprensa começatam a pintar Savimbi com cores bonitas, sublinhar a sua inteligência, sentido de humor, etc."..A fim de travar essa onda, Kazimirov recordou que "na UNITA havia não só o culto de Savimbi, mas também feitiçaria, castigos corporais e outras "pérolas democráticas medievais"".

Antes e depois deste episódio, os serviços secretos soviéticos e, mais tarde, russos, envolveram-se directamente no combate à FNLA de Holden Roberto e à UNITA de Jonas Savimbi, tentando também conseguir a liquidação física do líder do "Galo Negro".."Apoiando-se nos Estados Unidos e na África do Sul, no início de 1975, a FNLA e a UNITA tentaram conquistar Luanda, capital de Angola. Os serviços de reconhecimento externo soviéticos entraram em contacto com Agostinho Neto (...)

Na base das informações desses serviços, o governo soviético decidiu enviar urgentemente para Luanda armamentos para repelir a intervenção externa (...) Os invasores sofreram uma derrota demolidora e foram obrigados a recuar para o norte, quase até à fronteira do Zaire. Os serviços de reconhecimento externo soviéticos fizeram gorar a operação da CIA para conquistar Luanda e entregar o poder a H.Roberto e J. Savimbi" - lê-se na história oficial do Serviço de Reconhecimento Externo (SVR, ex-KGB) da Rússia.

Em finais de Dezembro de 1984, quando Savimbi participava num comício da UNITA, aviões MIG, tripulados por pilotos soviéticos, bombardearam o local para o liquidar..Serguei Kononov, veterano russo da guerra em Angola, escreveu no seu diário a 24 de Dezembro de 1984: "às quatro horas, fui a casa de Slavik Paskal (piloto soviético) e ele preparava as malas.- Para onde vais? - Talvez amanhã deva regressar à URSS.- Porquê? - Dizem-me que não posso ficar aqui.Compreendi que algo estava mal. Na manhã seguinte, ele foi para o aeroporto.- Foste tu que deste cabo de Savimbi? - Não sei, só vi que eles, de camisas vermelhas, fugiam do comício".

Dessa vez, os soviéticos falharam, mas, em Fevereiro de 2003, logo a seguir à morte de Savimbi, alguma imprensa russa não se esqueceu de recordar que, na realização da operação, as tropas angolanas contaram com a colaboração dos serviços secretos russos.

Serguei Kolomnin, veterano russo da guerra em Angola, escreve no seu livro "Tropas especiais russas em África": "De súbito tocou o telemóvel. Telefonou-me de Luanda um dos nossos conhecidos que trabalhavam por contrato com as forças armadas governamentais.

Deu-nos os parabéns e disse entre outras coisas: Acabou tudo, rapaziada, as tropas especiais mataram Savimbi. Por isso a guerra chega ao fim e talvez nos mandem para casa dentro de pouco tempo"..Oficialmente, as autoridades soviéticas sempre afirmaram que em Angola não combatiam militares seus, mas a realidade é bem diferente..Segundo dados recentemente revelados, em território angolano, no período entre 1975 e 1991, combateram cerca de 11 mil militares soviéticos, entre os quais 107 generais e almirantes, 7211 oficiais, mais de 3,5 mil cabos, furriéis, praças.

Quanto a baixas, o número oficial é de 11 mortos, entre os quais sete oficiais e quatro praças. Porém, Serguei Kolomnin considera que o número de mortes é bem maior: "Durante os 17 anos de cooperação político-militar com Angola, que terminou com a desintegração da URSS, as nossas perdas, segundo os meus cálculos, foram superiores a cem pessoas".

Fonte: Darussia.blogspot.com


Voltar

Aucune note. Soyez le premier à attribuer une note !

Ajouter un commentaire

Vous utilisez un logiciel de type AdBlock, qui bloque le service de captchas publicitaires utilisé sur ce site. Pour pouvoir envoyer votre message, désactivez Adblock.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site