OS HIMBAS DE ANGOLA

Os Himba em Angola

O Deserto de Moçâmedes, ou Deserto do Namibe, é um dos desertos mais antigos do mundo, mas as praias, baías e ilhas que os navegadores portugueses mapearam há séculos, já não existem.
Há 80 milhões de anos que, a areia depositada ao longo da Costa do Esqueleto, redesenha mapas todos os dias, construindo dunas que chegam a ter 300 metros de altura e estão entre as as mais altas do mundo. O único povo que consegue habitar esta terra, das mais inóspitas de África, é o povo Himba, o povo seminómade das Mulheres de Vermelho.

Deserto do NamibeMulheres Himba, do Sul de Angola - National Geographic

Este deserto singular, onde a Corrente fria de Benguela transforma o ar quente em névoa, permite a sobrevivência de espécies raras de plantas, que alimentam elefantes, girafas e antílopes. Uma das plantas mais fabulosas do deserto do Namibe é a Welwitschia Mirabilis, apelidada por Charles Darwin de "ornitorrinco do reino vegetal" que vive até 2 mil anos só com a névoa matinal. Outra planta que sobrevive bem às duras condições do deserto é o melão !nara, com sua raiz de 40 metros de profundidade.

Welwitschia MirabilisAmor de mãe

No século 15, a tribo Herero saiu da Etiópia, com os seus rebanhos, e atravessou a África até à Namíbia. Os Himba, Ovahimba, que hoje vivem no Sul de Angola, são descendentes dos Herero, e mantiveram as tradições centenárias quase intactas. Uma delas é o hábito das mulheres de cobrirem o corpo com um óleo avermelhado, mistura de banha de boi com uma pedra local, que proteje a pele do vento e do sol. As mulheres Himba dispendem todos os dias várias horas a cuidar da sua beleza. As himba também comandam uma sociedade poligâmica, em que cada mulher pode ter relações sexuais com vários homens. Os himba vivem próximos ao Rio Cunene, que marca a fronteira entre a Namíbia e Angola, mas circulam livremente entre os dois países. Para eles, não existem fronteiras. Vagam pelo deserto como os leões e os elefantes, chegando a caminhar até 80 quilómetros em busca de água para o gado. Tanto esforço vale a pena: o gado bovino é o principal símbolo de status de uma família himba, e seu roubo é punido com a morte.

Himba casada - Foto de Markus Mauthe - Sud Afrika, 1996Himbas - Foto de Markus Mauthe - Sud Afrika, 1996

A carne é reservada apenas para eventos especiais, como casamentos e funerais. Quando um himba morre, mata-se uma parte de seu gado e as cabeças são empilhadas ao lado da sepultura, para proteger o seu espírito. Nas aldeias himba, há sempre um curral no meio, vigiado pelo fogo sagrado chamado okuruwo. Os feiticeiros usam-no para comunicar com os ancestrais.

Aldeia Himba

6 votes. Moyenne 3.83 sur 5.

Créer un site gratuit avec e-monsite - Signaler un contenu illicite sur ce site